Frades do PVF de nossa Custódia retomam suas atividades e visitam a Paróquia de Ribeirão Preto/SP

No último fim de semana (5 e 6 de março), o Pró-Vocações Franciscanas (PVF) da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus iniciaram as visitas e divulgação do carisma franciscano. A Paróquia que os acolheu nesse “novo” início, foi a Paróquia Santo Antônio Maria Claret e Frei Galvão de Ribeirão Preto/SP.

Os frades André Luís e João Paulo Gabriel participaram das missas na igreja matriz e lançaram palavras de agradecimento a cada benfeitor que faz parte da “Família dos Benfeitores da Custodia”, que contribuem com as casas de formação. Na oportunidade falaram das três profissões solenes que serão celebradas esse ano, como fruto da oração e contribuição desta família.

O Agradecimento foi o marco desta visita, uma vez que nesses dois anos parados em vista da COVID-19, foram de suma importância para se perceber a força da oração e companheirismo desses irmãos, que não deixaram de acreditar nas vocações franciscanas e continuaram contribuindo financeiramente e nas orações.

Ainda na visita, os frades levaram a loja móvel com artigos religiosos, a fim de chegar ainda mais perto do povo de Deus e deixar um símbolo franciscano naquela Paróquia. Ficam os agradecimentos à fraternidade local, que não mediu esforços em acolher os irmãos da equipe do PVF, como também a toda a comunidade paroquial, por acolher os frades e demonstrar os seus afetos e estima ao carisma franciscano divulgado com carinho.

Por fim, o PVF segue para a próxima visita na cidade de Marília/SP, nos dias 02 e 03 de abril, com a divulgação do carisma, o convite para a “família dos benfeitores” e a loja móvel.

PAZ e BEM!

Frei João Paulo Gabriel, OFM (Coordenador do PVF)

SAV da Família Franciscana se reúne em Franca/SP para o Planejamento Anual

No dia de ontem (16), foi-se iniciada a reunião de planejamento do SAV da Família Franciscana. Desde que entramos na pandemia do coronavírus (COVID-19), as congregações femininas da nossa família e nós do SAV da Custódia, estreitamos nossos laços para bem melhor elaborarmos e executarmos os nossos trabalhos nesse serviço. Além de nossa Custódia, como Frades Menores (OFM), estão as Irmãs Franciscanas da Penitência (IFP) e as Irmãs Franciscanas Pequenas Missionárias Eucarísticas (PME). A equipe do Serviço de Animação Vocacional (SAV) esteve reunida no Convento Santa Maria dos Anjos, em Franca/SP.

O encontro iniciou às 14h15 com um momento de espiritualidade conduzida por Frei José Luiz da Costa, OFM (Vice-Coordenador do SAV) e em colaboração com as Irmãs presentes. Após o momento orante, Frei Eduardo Augusto Schiehl, OFM (Coordenador do SAV), deu as boas vindas aos presentes e, em seguida, apresentou o assessor, frade Agostiniano Recoleto, Frei André, que se dedica ao serviço de animador vocacional de sua província há 10 anos.

Frei André fez uma excelente análise do contexto de onde as vocações emergem. Com suas palavras: “O(a) Animador (a) Vocacional é uma ponte que liga a margem da realidade do vocacionado(a) com a margem do plano Divino”.

O frade agostiniano também partilhou sobre os desafios do trabalho vocacional dizendo que “antes de fazermos uma promoção vocacional, precisamos formar nossos frades e irmãs. Animá-los e motivá-los em suas vidas e vocações. Isso deve acontecer desde nosso superior(a) geral com seu definitório/conselho, os ministros locais, orientador local, até nossas comunidade/fraternidades religiosas. Estamos, antes, mostrando aos jovens nossa entidade com seus pesos e crises, seja nas homílias e nas formações, e isso afugenta em vez de atrair”. O segredo que sempre nos conduziu, continua o Frei, é apresentarmos o Cristo, nossa identidade carismática, nossa vida em sua essência e alegria, não deixarmos tudo isso na periferia de nossa vida.

A fala em destaque partilhado por Frei André foi quando ele disse que “preocupa-se com números, ‘produzir vocações’, desespero em termos vocações, preocupação com marketing e etc; muitas das vezes não dão resultados e se deixa de lado a qualidade do serviço. Não mostramos a nossa identidade, não mostramos Cristo, mas ressaltamos a entidade e suas estruturas”.

O encontro seguiu-se com orações, missa e momentos fraternos. No dia de hoje (17), foi iniciado com a oração das laudes e missa, seguida do café da manhã. Na sala de encontros, Frei Suelton Costa, OFM e Frei Lucas Oliveira, OFM animaram a todos(as) os presentes com cantos vocacionais. Em seguida, Frei Eduardo, OFM, invocou a Santíssima Trindade e abriu um momento para partilhas de vida e experiências de trabalhos no Serviço de Animação Vocacional, bem como ecoar aquilo que foi facilitado pelo assessor, Frei André, no dia de ontem. Foram falas sobre os desafios nas realidades de juventudes e vocacionados no dia de hoje e o ponto chave: animar os desanimados de nossa própria entidade, foi a preocupação dos participantes.

Nesse serviço “é preciso acreditarmos em nós mesmos, na nossa vocação, nos nossos serviços; que nossas entidades confiem também nos trabalhos e nos frades e irmãs que estão disponíveis, bem como investir em todos os âmbitos”, foi o que ressaltou-se em uma das partilhas.

Para bem compreenderem a missão de cada um enquanto animadores(as) vocacionais, se questionaram: “Fazemos um processo bonito de acolhidas e acompanhamentos, de visitas e diálogos com a família para o ingresso de um vocacionado em nossas entidades, mas fica um questionamento diante de nós do SAV: ‘estamos acompanhando-os e formando-os para compreender, viver e amar a Cristo?’”. O SAV e suas entidades têm suas crises de identidade e nessas crises, cresce a animação de mudar e trabalhar, porque há vida. Continuaram a indagar-se: “temos potenciais e muitos pontos positivos também. Temos vocações, mas como trabalhar cada uma? Como está a nossa acolhida e disposição em acolhê-los? Temos já de cara preconceitos/prejuízos por cada um/uma vocacionado(a)? Compreendemos que é necessário uma conversão vocacional e institucional?”. Linhas de algumas possíveis respostas foram analisadas também, para um bom aproveitamento: “Prioridades é estarmos vivos, como Religiosos, e isso só é possível quando investimos e priorizamos as vocações. A ultima palavra é o evangelho na decisão vocacional, na vida do(a) outro(a).”

Na segunda sessão do encontro, foram socializadas as agendas e prioridades como: presença forte nas paróquias, com os crismandos; missas vocacionais; formar e animar pastorais vocacionais com os leigos e leigas das nossas frentes de missão, com materiais e subsídios, vídeos, fotos, powerpoint, etc.

Por fim, após o almoço e descanso, Frei Eduardo, OFM, iniciou o encontro invocando a Santíssima Trindade e seguiu para a pauta prevista. O momento da tarde foi iniciado sem a presença das irmãs, pois a partir de então, foram tratados assuntos relacionados apenas ao SAV Custodial. Agradecemos a presença importantíssima das irmãs!

Na esperança de trilharmos um caminho de recomeço e renovação, os irmãos e irmãs do Serviço de Animação Vocacional, pediram a Deus luzes em seus caminhos e uma forte rede para pescarem frutos de Sua Graça, pois a graça é de graça quando o Senhor da messe e Pastor do Rebanho chama operários para sua vinha e os convida a missão, sem se preocuparem com nada no caminho. Que o Senhor nos abençoe e nos guarde!

PAZ e BEM!

SAV (Serviço de Animação Vocacional)

Cinco jovens são admitidos ao Aspirantado, no Convento Santa Maria dos Anjos em Franca/SP

Aconteceu na tarde desta terça-feira (15), no Convento Santa Maria dos Anjos de Franca/SP, a admissão de cinco novos aspirantes. A celebração foi presidida pelo Custódio, Frei Fernando Aparecido dos Santos, OFM e contou com a presença de toda a fraternidade local. A celebração também foi transmitida pela página do Facebook de nossa Custodia.

“Saíram de suas casas, de seus costumes, de sua cotidianidade para viver uma outra realidade, a realidade onde vocês não vão pensar mais só em si, mas vão procurar sobretudo viver e pensar a fraternidade esta que hoje vos abraça na vida religiosa franciscana” disse Frei Fernando, OFM aos jovens admitidos durante sua reflexão.

Os jovens Aspirantes com o Custódio, Frei Fernando, OFM e a Fraternidade Permanente Local

Cinco são os jovens que deram início a etapa do aspirantado:

  • Anderson Marques
  • Gabriel Monteiro Marques
  • Murilo Luvizoto de Araújo
  • Naedson Carlos Marques da Silva
  • Roberto Almeida de Jesus

Como símbolo de iniciação desta nova etapa, os jovens receberam a ‘Cruz de São Damião’, aquela que um dia chamou Francisco para reconstruir a “Igreja em ruínas”, fora do muro de Assis/Itália.

Nessa etapa os jovens admitidos irão aspirar o modo de vida dos Frades Franciscanos, vivendo uma vida simples, de oração, estudos e trabalhos. Esses, foram confiados, por meio do custódio, ao mestre/formador Frei José Aécio de Oliveira Filho, OFM e toda a fraternidade. Com a decisão do último Capítulo Custodial, este ano o convento acolhe simultaneamente as etapas do Aspirantado e Postulantando. 

Que Deus acompanhe estes jovens e a sempre Virgem Maria, Rainha dos Frades Menores, os fortaleçam em suas caminhada vocacional franciscana.

PAZ e BEM!

Anderson Marques e Gabriel Monteiro Marques (Aspirantes)

Papa aos consagrados: abrir os braços a Cristo e aos irmãos, sem deixar roubar a alegria

Bianca Fraccalvieri (Vatican News)

Um encorajamento a renovar o entusiasmo da consagração: assim foi a homilia do Papa Francisco ao celebrar na Basílica de São Pedro a Santa Missa na Festa da Apresentação do Senhor, dia da Vida Consagrada.

Em sua reflexão, o Pontífice se inspirou no Evangelho do dia, nos dois anciãos Simeão e Ana, de modo especial em três verbos que acompanham a narração: mover, ver e acolher.

O Espírito Santo ou a paixão do momento?

Em primeiro lugar, Simeão é movido pelo Espírito: faz arder em seu coração o desejo de Deus.

“Isto é o que faz o Espírito Santo”, explicou Francisco: torna-nos capazes de vislumbrar a presença de Deus e a sua obra, não nas grandes coisas, mas na pequenez e na fragilidade. O Papa então questionou os fiéis, de particular modo os consagrados:

“Deixamo-nos mover principalmente pelo Espírito Santo ou pelo espírito do mundo? O Espírito Santo ou a paixão do momento?”

Francisco advertiu para o risco de pensar na consagração em termos de resultados, metas, sucesso, à procura de espaços, de visibilidade, de números. Por trás da aparência de boas obras, podem ocultar-se a traça do narcisismo ou o frenesi do protagonismo.

A ação pode ser movida ainda pela repetição mecânica – fazer as coisas por hábito. O convite então é para verificar as motivações interiores, “porque a renovação da vida consagrada passa primariamente por aqui”.

Que visão temos da vida consagrada?

A renovação passa também pelos olhos, como aconteceu com Simeão, que viu a salvação ao pegar o Menino nos braços.

Eis o grande milagre da fé, prosseguiu o Papa: abre os olhos, transforma o olhar, muda a perspetiva. A fé nasce do olhar compassivo com que Deus nos vê. Então o Pontífice faz novas interrogações:

“E nós? Que veem os nossos olhos? Que visão temos da vida consagrada?”

Muitas vezes, afirmou, o mundo a vê como um «desperdício», uma realidade do passado, qualquer coisa de inútil; o mesmo pode acontecer com os próprios consagrados, que mantêm os olhos voltados para trás, saudosos daquilo que já não existe.

“Abramos os olhos: através das crises, dos números que faltam, das forças que esmorecem, o Espírito convida-nos a renovar a nossa vida e as nossas comunidades.”

Que estreitamos nos braços?

Por fim, o terceiro verbo: acolher. Simeão acolhe Jesus nos braços e pronuncia palavras de louvor. “Deus colocou o seu Filho nos nossos braços, porque o essencial, o centro da fé é acolher Jesus”, disse o Papa.

Se aos consagrados faltam palavras que bendizem Deus e os outros, se falta a alegria, se esmorece o entusiasmo, se a vida fraterna é apenas fadiga, é porque os seus braços já não estreitam Jesus. 

“E quando os braços de um consagrado, de uma consagrada não estreitam Jesus, estreitam o vazio, que buscam preencher com outras coisas: mas há o vazio. Estreitar Jesus com os nossos braços: este é o sinal, este é o caminho, esta é a receita da renovação.”

“Abramos os braços, a Cristo e aos irmãos!”

O Papa concluiu com palavras de encorajamento para renovar a consagração.  “Mesmo que experimentemos fadiga, cansaço e frustrações, façamos como Simeão e Ana, que esperam com paciência na fidelidade do Senhor e não se deixam roubar a alegria do encontro com Ele. Coloquemo-Lo no centro e continuemos para diante com alegria.”

Fonte: Vatican News

Frei João Paulo Gabriel, Frei Lucas Oliveira e Frei Suelton Costa, finalizam retiro em preparação para a Profissão Solene

Da esquerda para a direita: Frei João Paulo Gabriel, OFM, Frei Suelton Costa, OFM e Frei Lucas Oliveira, OFM

“Por entre aclamações Deus se elevou!”

Durante o mês de janeiro deste ano, os Freis João Paulo, Lucas e Suelton estiveram no Noviciado Comum de Catalão/GO, em retiro espiritual. Momento particular e oportuno de aprofundamento para refletiram sobre suas vocações e, na ocasião, se prepararem para suas Profissões Solenes, aprovadas no último Secretariado para a Formação e os Estudos, bem como pelo Conselho Custodial, em novembro do ano passado.

Neste período de retiro, os frades foram conduzidos a cada semana pelos seus confrades que compõem o Coetos Formatorum do noviciado comum: Frei Valdemir (Miro), Frei Jair e Frei João Mário. Cada um utilizou de uma metodologia, que fez com que os retirantes fossem, naturalmente, assumindo seus próprios itinerários espirituais, seja no coletivo, como no individual. Foram oferecidos a eles elementos e subsídios de abordagens intelectuais, provocativas, de autoconhecimento, de espiritualidade e decisão, no que se refere as questões humanas e vocacionais.

Os frades se preparam para professarem definitivamente e em público os votos de obediência, sem nada de próprio (pobreza) e em castidade. Votos esses que são devotados e depositados no coração de Deus, assim, eles prometerão viver esses votos por toda a vida e expressá-las como suas próprias ações, no serviço a Deus, a Igreja e o povo a eles confiados. Não aleatoriamente fazem isso, mas tem raiz em São Francisco de Assis quando escreveu nas primeiras linhas da Regra e Vida dos Frades Menores: “Em nome do Senhor, começa a vida dos frades menores. A Regra e a vida dos Frades Menores é esta: observar o Santo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, vivendo em obediência, sem nada de próprio e em castidade.”

As Constituições Gerais da Ordem confirmam e aprofundam essa regra, quando escreve que:

  • §1. A Ordem dos Frades Menores, fundada por São Francisco de Assis, é uma Fraternidade na qual os Irmãos, seguindo de perto a Jesus Cristo sob a ação do Espírito Santo, pela profissão, dedicam-se totalmente a Deus, o Sumo bem, vivendo o Evangelho na Igreja segundo a forma observada e proposta por São Francisco.
  • §2. Seguidores de São Francisco, os irmãos são obrigados a levar uma vida radicalmente evangélica, isto é: viver em espírito de oração e devoção e em comunhão fraterna; dar um testemunho de penitência e minoridade; anunciar o Evangelho ao mundo inteiro em espírito de caridade com os homens; pregar por obras a reconciliação, a paz e a Justiça; e mostrar o respeito pela criação.

Além de experimentarem esse momento particular, os retirantes aproveitaram também para vivenciarem com a Fraternidade do Noviciado a vida fraterna, a vida intensa de oração e a edificação do trabalho em conjunto. Professar definitivamente os votos não é um prêmio ou sinônimo de conclusão, mas o fim de uma etapa que os remeterão para uma outra, ou melhor, recomeçar e assumir novas missões em suas vidas, pois o frade permanece sempre perfazendo seu caminho e se coloca sempre a serviço com humildade e capacidade de reconhecer tal mudança.

Frei João Paulo, OFM, Frei Lucas Oliveira, OFM e Frei Suelton Costa, OFM com os Noviços

Os freis a partir desse ano, assumirão novos serviços e farão parte de novas fraternidades (exceto Frei João Paulo). Frei João Paulo permanecerá em Garça/SP, contribuindo no serviço fraterno e atuando junto ao Patronato São Francisco de Assis, que a anos a Custódia é responsável por essa obra social, em prol das crianças carentes da cidade, e também estará a frente dos serviços custodiais: JPIC e PVF (Pró-Vocações Franciscanas). Frei Lucas Oliveira, fará parte da Fraternidade de Ribeirão Preto/SP, disponível ao serviço fraterno e responsável por animar a JUFRA local e todo o setor juventude da Custódia, bem como contribuirá no Serviço de  Animação Vocacional (SAV). Frei Suelton foi transferido para a Fraternidade de Bebedouro/SP e contribuirá com a Fraternidade, assistindo as fraternidades local da JUFRA e OFS, bem como estará nos serviços custodiais: SAV e Comunicação.

Agradecidos por toda a oportunidade e confiança a eles depositados, desejamos perseverança em suas vidas e vocações. Que Deus, por intercessão de São Francisco e Santa Clara, os ajudem cotidianamente em vossos trabalhos e missão.

Fraternalmente,

Frei Suelton Costa de Oliveira, OFM

Fevereiro: O Papa às religiosas e consagradas – “Obrigado pelo que fazem”

Vatican News

Na intenção de oração deste mês de fevereiro, o Papa Francisco pede para rezar de maneira especial pelas religiosas e consagradas.

Nesta edição, que contou com o apoio e a colaboração da União Internacional das Superioras Gerais (UISG), que reúne as superioras gerais das congregações canonicamente aprovadas, Francisco valoriza o papel das mulheres que se dedicam à vida consagrada. A sua mensagem de vídeo, divulgada nesta terça-feira (1°/02), é contundente: “O que seria da Igreja sem as religiosas e as leigas consagradas? Não se pode compreender a Igreja sem elas”, diz o Papa.

Segundo as estatísticas publicadas pela Agência Fides em 2021, existem mais de 630 mil religiosas no mundo.

Encorajo todas as consagradas a discernir e a escolher o que convém para a sua missão diante dos desafios do mundo em que vivemos. Exorto-as a continuar trabalhando especialmente junto dos pobres, dos marginalizados, de todos os que estão escravizados pelos traficantes; peço-vos especificamente que atuem sobre estes problemas.

O Vídeo do Papa deste mês relata o compromisso das religiosas e consagradas no meio dos povos indígenas, ao lado dos meninos de rua, nos vilarejos onde faltam alimentos e medicamentos, entre migrantes, marginalizados e desempregados, junto às vítimas do tráfico. Não esquecendo sua grande contribuição intelectual e civil: há religiosas e consagradas lecionando em universidades, participando de cúpulas internacionais sobre o meio ambiente e atuando para mediar crises políticas.

A seguir, Francisco convida as religiosas e consagradas a continuarem mostrando a “beleza do amor e da compaixão de Deus como catequistas, teólogas, acompanhantes espirituais”.

Convido-as a lutar quando, em alguns casos, são tratadas injustamente, mesmo dentro da Igreja; quando o seu serviço, que é tão grande, é reduzido à servidão. E às vezes por homens da Igreja. Não desanimem. Continuem dando a conhecer a bondade de Deus através das obras apostólicas que fazem. Mas sobretudo, através do testemunho da consagração.

O Papa convida a rezar “pelas mulheres religiosas e consagradas, agradecendo-lhes a sua missão e a sua coragem, para que continuem encontrando novas respostas aos desafios do nosso tempo”. “Obrigado por quem são, pelo que fazem e pelo modo como o fazem”, conclui Francisco.

Fonte: Vatican News

Frades de Profissão Temporária participam da Semana Interprovincial de Formação Franciscana

Aconteceu durante esta semana (17 a 21 de janeiro de 2022), a “Semana Interprovincial de Formação Franciscana”, destinada aos frades de profissão temporária das seguintes entidades: Província Santa Cruz (MG), Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF), Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus.

Este encontro teve por objetivo estudar e aprofundar assuntos acerca da Espiritualidade Franciscana, além de uma maior integração dos frades das entidades acima referida, estreitando os laços fraternos.

A “Semana Interprovincial de Formação Franciscana” era para ter acontecido de maneira presencial, no Convento Santa Maria dos Anjos de Franca/SP. Contudo, devido ao grande aumento dos casos de COVID-19, a organização achou por bem realizá-la de maneira remota (online).

Imagem (Fonte): Captura de Tela (Meet) – Frei Aldir Crocoli, OFMCap, em um dos momentos da formação.

A Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus foi a anfitriã da formação e convidou o Frei Aldir Crocoli, OFMCap, da Província Capuchinha do Rio Grande do Sul, que é Doutor em Franciscanismo. Durante esta semana, Frei Aldir, OFMCap, trabalhou e aprofundou de forma dinâmica, os capítulos 1, 7, 9 e 14 da Regra não-Bulada.

Foi possível perceber através deste estudo orientado por Frei Aldir, OFMCap, a grande riqueza desta regra, e que nas maioria das vezes, acabamos por ler sem realizar o devido aprofundamento. O estudo contribuiu para aprofundarmos o nosso conhecimento acerca da Cristologia Franciscana, bem como sobre a importância do conhecermos afundo a forma de vida em que nós, frades, escolhemos de livre e espontânea vontade viver, seguindo assim, os passos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Imagem (Fonte): Captura de Tela (Meet) – Frei Aldir Crocoli, OFMCap, durante os agradecimentos.

Os temas abortados por Frei Aldir, OFMCap, nos provocou a uma reflexão que é impossível não levá-la para o nosso cotidiano, como frades menores, seja em relação a convivência fraterna junto dos nos irmãos da Ordem ou junto com o povo de Deus. Assim sendo, agradecemos a Deus por tal dádiva e rogamos a Ele que continue abençoando este exímio frade, Frei Aldir, OFMCap, por nos conduzir com maestria durante os estudos desta semana. Que Deus nos dê a graça da santa perseverança!

Frei Douglas Brito Ribeiro Atanazio de Sousa, OFM (Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora – MT e MS)

Noviços professam os primeiros votos em Catalão/GO

No dia em que a Igreja celebra a Festa do Santíssimo Nome de Jesus, 03 de janeiro, doze noviços (7 da Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil – GO/TO e DF, 4 da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus – SP/MG e 1 da Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora) professaram seus primeiros Votos Religiosos de obediência, sem nada de próprio e em castidade na Paróquia Mãe de Deus, em Catalão/GO.

Para ser um Frade Franciscano é preciso sentir a vocação, ou seja, sentir-se chamado por Deus a trilhar um percurso que te interpela a uma vivência em fraternidade e, com outros vocacionados; abraçar uma vida em comum e consagração a Deus no serviço a Igreja e ao Povo. É uma forma também de confirmar teu batismo de modo mais profundo. Esta vida deve configurar-se na pessoa de Jesus, tendo os Evangelhos como instrumento vivo e atual, e São Francisco como inspirador de uma espiritualidade que te faz sentir e te alimenta nessa experiência vocacional.

Ser Frade é estar ao serviço dos menores e excluídos da sociedade e ir de encontro as periferias existenciais e locais, lá onde estão as dores físicas, sentimentais e sociais. É ser um com todos, é ser irmão, onde possam construir um reino de justiça, equidade e bem-comum. E nessa certeza evangélica, abraçar um projeto que faça vencer o ódio, a fome, a violência, o genocídio, uma pandemia, um sistema que fere e mata, pois ser frade é querer e desejar do fundo do coração um mundo de amor.


Frades da Custódia, que professaram os primeiros votos:


Esse é um pouco do objetivo principal de ser um franciscano, além dos estudos, trabalhos, missões, serviços e ministérios confiados a cada vocacionado que deseja se lançar nessa vida. E isso foi o desejo de cada noviço que professaram seus votos. Uma etapa experimentada em suas vidas de muitas outras que virão. O noviciado é uma experiência de vida conventual e fraterna que são vividas durante um ano, que ao seu término, com satisfação e alegria, dão a cada um sentimentos particulares que os fazem olhar o mundo no modo de Cristo e de São Francisco.

Que cada neo-professo seja uma gota da graça de Deus e espalhem com fé e alegria a paz e o bem a todos os homens e mulheres por Deus amado.

PAZ e BEM!

Frei Suelton Costa de Oliveira, OFM

11 jovens são revestidos com o Hábito Franciscano no Noviciado Comum, em Catalão/GO

Na manhã desta segunda-feira, 03 de janeiro de 2022, 11 jovens foram admitidos ao ano de provação no Noviciado Comum, em Catalão, no Estado de Goiás.

Há 20 anos o noviciado acontece de forma “comum” entre três entidades da Ordem dos Frades Menores no Brasil: Província do Santíssimo Nome de Jesus (GO, TO e DF), Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e a Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG).

Estes jovens, após realizarem a caminhada formativa própria de suas entidades, pediram para serem admitidos ao ano de “Provação”, como tradicionalmente é chamado o ano de noviciado em nossa ordem.

Os noviços da nossa Custódia são:

Custódio com os três noviços | Da esquerda para a direita: Frei Luiz Carlos, OFM, Frei Fernando Ap. dos Santos, OFM (Custódio), Frei Jarder Rodrigues, OFM e Frei André Felipe, OFM

Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG)

  • Frei André Felipe Pereira Martins, OFM
  • Frei Jarder Rodrigues Leite, OFM
  • Frei Luiz Carlos da Silva Pinto, OFM

Além dos que pertencem a nossa Custódia, também foram admitidos os seguintes jovens:

Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS)

  • Frei João Pedro Gall Macena, OFM

Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF)

  • Frei Carlos Antônio Sartim, OFM
  • Frei Daniel Ferreria de Amorim Mendes, OFM
  • Frei Elias Maurício dos Santos Ferreira, OFM
  • Frei José Augusto Lemos Moraes Pires, OFM
  • Frei Matheus Pereira Souza, OFM
  • Frei Natanael Carvalho Amorim, OFM
  • Frei Pedro Rodrigues dos Santos, OFM
Todos os frades da Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF), da Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e de nossa Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG) que estiveram presentes na vestição dos novos noviços, turma 2022.

Deus dê a estes nossos irmãos, a graça de uma caminhada frutuosa e um bom discernimento.

Fraternalmente,

Frei Lucas de Oliveira Santos, OFM

Frades do “Under Ten” se encontraram de maneira remota para encontro anual custodial

Aconteceu na manhã desta terça-feria (16), o encontro anual dos frades do “Under Ten” de nossa Custódia, via Google Meet. O “Under Ten” é o encontro onde os frades que estão nos primeiros anos da profissão solene (até dez anos), se reúnem para formação, partilha de vida e partilha acerca da vocação.

Na oportunidade, estiveram presentes Frei Roberto Luiz dos Santos, OFM, Moderador para a Formação Permanente; Frei Vicente Paulo do Nascimento, OFM, frade da Província Santa Cruz (MG) e assessor deste nosso encontro, bem como os demais frades com até dez anos de profissão solene.

Num primeiro momento, o Moderador para a Formação Permanente nos convidou a uma partilha de vida. Após, Frei Vicente Paulo, OFM refletiu conosco acerca do subsídio “Nossa Vocação: Entre abandonos e fidelidade”,  preparado pela comissão para o “Serviço de Fidelidade e Perseverança”, encomendado pelo Capítulo Geral de 2009 e reconfirmado pelo Capítulo Geral de 2015.

Em sua fala, além de nos escutar, nos motivou para a Vida Religiosa Franciscana e também nos provocou sobre os pontos principais da vida franciscana: fraternidade, oração, trabalho, lazer, dentre outros.

Agradecemos a disponibilidade do nosso assessor, Frei Vicente Paulo, OFM, que conduziu de maneira simples e fraterna este momento ímpar para a vida de todos os frades participantes. Que Deus nos abençoe e nos ajude a perseverarmos neste propósito que abraçamos para as nossas vidas.

Fraternalmente,

Frei Alef Henrique Pavini, OFM