5º Domingo do Tempo Comum: “Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios!”

No mundo da Bíblia existiam crenças em espíritos maus que atormentavam as pessoas. Aos poucos o povo hebreu foi assimilando a ideia de que estes espíritos eram “demônios” caracterizados pelo orgulho e pela luxúria e que, por serem espíritos maus, arrastavam as pessoas para o pecado e provocavam as doenças nelas. Além disso, muitos problemas psiquiátricos eram atribuídos aos demônios. Quando Jesus começou a sua pregação ainda existia esta ideia e, por isso, quando Ele cura uma pessoa está expulsando um demônio e, ao mesmo tempo, perdoando os seus pecados. São muitos os casos em que vemos Jesus atuando para libertar as pessoas de doenças e perturbações. Todos são lidos como um combate de Jesus contra o “príncipe dos demônios” que termina em vitória do Reino de Deus.

Para São Marcos Jesus começa a sua missão em Cafarnaum, na Galileia, e vai à casa de Pedro. Era sábado, eles saíram da sinagoga e Jesus curou a sogra de Pedro que estava com febre. O gesto de Jesus causa indignação nos mestres da Lei porque Ele não observa os preceitos e faz um milagre no sábado. O povo, no entanto, leva os seus doentes para Jesus. O núcleo do texto evangélico deste Domingo é que “Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios”. É o início de sua missão de pregar e construir o Reino de Deus que vence os poderes deste mundo. É bom notar que Jesus conjuga oração e missão, pois Ele age com a força do Espírito que recebeu do Pai e é obediente ao Pai que quer libertar todos os seus filhos e filhas que enfrentam luta e sofrimento neste mundo como vemos o lamento de Jó na primeira leitura.

Jó pensa que o sofrimento é por causa do pecado e é um castigo de Deus. No entanto, Jesus mostra que Deus é misericordioso e não deseja o sofrimento aos seus filhos e filhas e sim a vida plena e a felicidade.

Jesus anuncia que deve pregar “em outros lugares, nas aldeias da região” e vai por toda a Galileia. O seu anúncio é o do Reino de Deus, por isso ensina, faz curas e liberta as pessoas dos males. Os discípulos vão com Ele. Depois de ressuscitado, Jesus os envia pelo mundo onde deverão também ensinar, curar e libertar as pessoas dos males. É o testemunho que vemos na segunda leitura em que São Paulo sente o dever da missão sem esperar retribuição neste mundo. Assim também deveriam agir todos os cristãos de hoje: discípulos missionários que estão a serviço do Reino de Deus, do Evangelho e de cada irmão e irmã que enfrenta sofrimentos.

Frei Valmir Ramos, OFM

2º Domingo da Quaresma: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que Ele diz!”

Visitador Geral dá início à Visita Canônica em vista do Capítulo Custodial 2021

Vigário Custodial e conselheiro são eleitos na última reunião do Conselho Custodial

Presidente da CRB é nomeada Consultora da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica

Patronato São Francisco de Assis comemorou os 65 anos de evangelização em Garça/SP

Deserto é lugar de tentação: “nunca dialoguem com o diabo”, disse o Papa

Frei João Paulo Gabriel, OFM e a nova diretoria do Patronato São Francisco de Assis de Garça/SP, são acolhidos durante os festejos dos 65 anos da instituição