3º Domingo do Tempo Comum: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo!”

Jonas é um personagem criado para mostrar a ação de Deus na história da humanidade. Como profeta judeu, ele não quer nem ouvir falar de Nínive, que era uma cidade opressora do seu povo. Por isso Jonas reluta e não quer assumir a sua missão de profeta e anunciar o castigo de Deus para aquela cidade se o povo não se convertesse. Como Jonas não conseguiu fugir de Deus, foi a Nínive começou a pregar o caminho da conversão e viu o povo fazer penitência. O profeta pensava como os seres humanos e não queria que Deus perdoasse os ninivitas. Mas a misericórdia de Deus é para todos os povos e o seu Reino de amor, justiça e paz também. Então, “vendo Deus que os ninivitas se afastaram do mau caminho, compadeceu-se”.

São Marcos apresenta Jesus iniciando a sua missão na Galileia, uma região ao norte da Judeia, que era tida como impura e de onde os mestres da Lei diziam que não sairia nada. Os chefes de Jerusalém menosprezavam os galileus e afirmavam que nada de bom poderia vir da Galileia. Jesus, o galileu, começa a sua missão anunciando que “o tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo”. O tempo é aquele da realização da promessa de Deus, que quer salvar o seu povo, e que São Paulo diz que “está abreviado”. De fato, com a vinda de Jesus, cumpre-se vontade do Pai e Ele se torna o Salvador da humanidade que revela o rosto misericordioso do Pai. 

João Batista tinha iniciado a sua missão pregando a conversão e batizando o povo para a purificação dos pecados. Agora ele está preso, pois os poderosos não suportaram a verdade e não se arrependeram. Jesus continua suplicando pela conversão do povo, pois sem o amor verdadeiro e a justiça não seria possível a presença do Reino de Deus. Isto significa basear a vida na nova lei do amor e não apenas nos preceitos humanos que às vezes discrimina, exclui, marginaliza e não cuida dos irmãos e irmãs mais frágeis.

Para construir o Reino de Deus Jesus chama trabalhadores da Galileia, iniciando por aqueles que eram pescadores. Simão, André, Tiago e João deixam as redes e seguem Jesus para uma nova missão: devem ajudar na construção do Reino de Deus. Este Reino será uma realidade quando as injustiças, a violência, o desrespeito pelos outros, o egoísmo e os sistemas que levam à morte forem vencidos. Os discípulos ainda não sabiam disso, mas acreditaram em Jesus e viram durante a sua vida como ele agiu e venceu os reinos deste mundo passando pela morte e ressuscitando. 

Hoje os cristãos são chamados a comprometerem-se na construção do Reino de Deus, que não será apenas uma realidade em nosso coração, mas no mundo onde as pessoas vivem, amam, sofrem e morrem. Aceitar a vontade de Deus e empenhar-se na construção do seu Reino neste mundo com ações concretas de amor ao próximo será sempre um caminho de conversão.

Frei Valmir Ramos, OFM

O Papa na Missa em Bagdá: “Sois testemunhas vivendo as bem-aventuranças”

Em Najaf, o histórico encontro do Papa com o Grande Aiatolá Al-Sistani

3º Domingo da Quaresma: “Destruí este templo e em três dias eu o levantarei!”

O Papa pede esperança, unidade e zelo pastoral

Papa aos iraquianos: “sou peregrino penitente, de paz e de esperança”

Frei Paolino Vitale é homenageado em Severínia/SP, outorgando o seu nome a uma associação

SAV se reúne em Olímpia/SP para formação planejamento

Um ano após a declaração da Covid-19 como uma pandemia global no dia 11 de março de 2021