5º Domingo da Páscoa: “Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto!”

LEITURAS: At 9,26-31 / Sl 21 / 1Jo 3,18-24 / Jo 15,1-8

O ensinamento de Jesus que o Evangelho de hoje nos traz faz parte de um longo discurso de despedida que João Evangelista insere nos capítulos 13 a 15. Como vemos no capítulo 13, Jesus está realizando a sua última ceia com os discípulos e, depois de lavar os pés de cada um deles, começa este discurso. Nos versículos do Evangelho de hoje Jesus usa a imagem bíblica da videira que indicava o povo de Deus. Agora Ele é a videira verdadeira, que congrega a nova família de Deus, a Igreja, e mostra a necessidade de que esta dê muitos e bons frutos como ramos ligados ao tronco.

Depois da ressurreição de Jesus, quando os discípulos estavam levando adiante a missão deixada por Ele, existia o sentimento de um vazio deixado por Jesus de Nazaré, pois sua presença não era mais visível. Também existiam dificuldades a serem enfrentadas por eles, pois os cristãos aumentavam sempre mais e em muitos lugares. É neste contexto que o ensinamento de Jesus é lido.

A videira é podada para produzir mais e melhores frutos. Jesus afirma que o Pai “corta o ramo que não dá fruto” e “limpa o que dá fruto”. O verbo aqui traduzido como limpar é “podar” e significa preparar o ramo para dar frutos. Contudo, Jesus é claro em dizer que é preciso “permanecer n’Ele” para dar frutos. A parte separada seca. Os frutos são aqueles da vivência da fidelidade para com Deus como verdadeiros discípulos de Jesus e do amor para com os irmãos. Na segunda leitura, São João diz que este amor deve ser “com ações e de verdade”. Ele ainda diz que o mandamento de Deus é “crer em Jesus Cristo e amar uns aos outros”. De fato, as comunidades primitivas enfrentavam dificuldades em manter-se fiéis a Jesus Cristo, ressuscitado e presente com elas de forma invisível, e ainda existiam aqueles que faziam belos discursos, mas não viviam a caridade e não eram solidários.

A leitura dos Atos dos Apóstolos traz o primeiro medo dos cristãos. O autor diz que os cristãos de Jerusalém estavam com medo de Paulo porque ele os perseguia. Era verdade, mas é possível pressentir neles uma resistência à novidade de Paulo. A comunidade de Jerusalém estava comodamente levando adiante a missão, quase limitada àquela região. Paulo chega com um discurso de evangelização a todos os povos, fala com firmeza nas sinagogas e discute com os judeus de língua grega. Ele anuncia sem medo que Jesus é o Salvador. Ele conhece as Escrituras e enfrenta os judeus, como depois vai enfrentar os gregos e os romanos.

Para nós hoje é preciso ter esta clareza: nenhuma iniciativa de autorreferencialidade vai produzir fruto bom. Jesus é a meta, o centro e o conteúdo da vida cristã. A Igreja e todo evangelizador precisam anunciar Jesus Cristo e a sua Palavra e não a si mesmos. Também não podem confiar somente em suas próprias forças e estratégias, pois quem mantém a Igreja viva é o Ressuscitado.

Frei Valmir Ramos, OFM


Acompanhe também a reflexão da série: “Luz do meu caminho”

Papa Francisco: colocar-se à disposição dos outros, amando não com palavras, mas com fatos

Presidente da CNBB faz homenagem às mães, em ocasião do “Dia das Mães” comemorado no próximo domingo

CF 2022: CNBB recebe propostas de identidade visual até o dia 17 de maio

6º Domingo da Páscoa: “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor!”

Frei Wanderley Figueiredo, OFM realiza Visita Canônica na Fraternidade de Olímpia/SP

Papa Francisco estabelece ministério de catequista

Iº Encontro Interprovincial de Postulantes das entidades que compõem o Noviciado Comum de Catalão/GO foi realizado em Franca/SP

Papa Francisco na Audiência Geral: O fruto da oração é o maior milagre que um cristão pode realizar