Sexta-Feira Santa: “A verdade é que ele tomava sobre si nossas enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores”

LEITURAS: Is 52,13-53,12 / Sl 30 / Hb 4,14-16; 5,7-9 / Jo 18,1-19-42

São João Evangelista narra a paixão e a morte de Jesus com detalhes de uma testemunha e afirma categoricamente a identidade de Jesus: Filho de Deus, Rei do universo, Salvador da humanidade. Jesus se entrega aos que o procuravam durante a noite no Jardim das Oliveiras: “sou eu”. Ele não foge diante do perigo de morte, nem abre mão do projeto do Pai que é instaurar o Reino de amor.

O Filho de Deus é reconhecido como aquele “Servo” anunciado pelo profeta Isaías que é humilhado, mas não renuncia à sua missão. O profeta anunciava: “a verdade é que ele tomava sobre si nossas enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores”. Por um amor infinito é que o Filho de Deus se fez servo e o profeta anunciava que Ele “resgatava o pecado de todos e intercedia em favor dos pecadores”. E não só para salvar dos pecados o Filho de Deus se fez Servo, mas também para implantar o Reino de Deus neste mundo. No texto do Evangelho desta Sexta-feira santa vemos aparecer 8 vezes a palavra “rei” e mais 4 vezes a palavra Reino. “O meu Reino não é deste mundo”, diz Jesus, pois Pilatos pensava só no reino de poder e domínio, e Jesus atua para construir um Reino de justiça, de paz, de vida em abundância para todos. Por isso Ele é “Jesus” Nazareno, palavra que significa “Deus Salva”. O Evangelista usa a palavra Jesus bem 55 vezes nesta narrativa da paixão.

Pilatos era governador da Província romana da Judeia. A sua figura mingua diante de Jesus que cresce sempre mais como Rei. São João é o único a dizer que ele queria liberar Jesus, mas os sumos sacerdotes impuseram-lhe a pena de morte por causa da afirmação que era o “Filho de Deus”. Esta é a verdade de Jesus que os judeus não aceitaram e recorreram ao governador para a sentença de morte. O governador fez a escolha do poder e do prestígio diante do imperador César. A cruz era a pior forma de condenação dos malfeitores. Para Jesus, no entanto, ela torna-se o trono do Reino de serviço.

Os discípulos de Jesus foram formados neste caminho de serviço, pois o Mestre não recusou a cruz, a própria morte, e “na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem” como vemos na carta aos Hebreus.

São João também é o único a narrar as palavras de Jesus à sua mãe que estava ao pé da cruz com um discípulo e outras discípulas: “este é o teu filho… esta é a tua mãe”. Para o evangelista a morte de cruz cumpre as Escrituras que falavam do Filho de Deus e inicia o tempo do Reino de Deus neste mundo contando com os seguidores de Jesus.

De fato, os discípulos entenderam o mistério da cruz quando Jesus apareceu-lhes ressuscitado e enviou-lhes ao mundo para anunciá-lo e construir o seu Reino. Eis porque a cruz tornou-se sinal de salvação. Hoje os cristãos são chamados a viver a solidariedade com todos que são crucificados com Jesus e lutar juntos para a libertação das amarras e dos sistemas que levam à morte.

Frei Valmir Ramos, OFM

2º Domingo da Páscoa: “Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

Papa Francisco: Os santos nos lembram que a santidade pode florescer em nossas vidas

Papa contra a desigualdade: os direitos humanos são para todos!

O Papa na Segunda-feira do Anjo: encontrar Cristo significa descobrir a paz do coração

Domingo da Páscoa: O sepulcro está vazio, Ele vive!

Mensagem do Custódio em ocasião da Páscoa

Vigília Pascal: “Ele ressuscitou! Não está aqui.”

Mensagem de Páscoa da Irmã Cleusa, presidente da CFFB