Frades de Profissão Temporária participam da Semana Interprovincial de Formação Franciscana

Aconteceu durante esta semana (17 a 21 de janeiro de 2022), a “Semana Interprovincial de Formação Franciscana”, destinada aos frades de profissão temporária das seguintes entidades: Província Santa Cruz (MG), Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF), Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus.

Este encontro teve por objetivo estudar e aprofundar assuntos acerca da Espiritualidade Franciscana, além de uma maior integração dos frades das entidades acima referida, estreitando os laços fraternos.

A “Semana Interprovincial de Formação Franciscana” era para ter acontecido de maneira presencial, no Convento Santa Maria dos Anjos de Franca/SP. Contudo, devido ao grande aumento dos casos de COVID-19, a organização achou por bem realizá-la de maneira remota (online).

Imagem (Fonte): Captura de Tela (Meet) – Frei Aldir Crocoli, OFMCap, em um dos momentos da formação.

A Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus foi a anfitriã da formação e convidou o Frei Aldir Crocoli, OFMCap, da Província Capuchinha do Rio Grande do Sul, que é Doutor em Franciscanismo. Durante esta semana, Frei Aldir, OFMCap, trabalhou e aprofundou de forma dinâmica, os capítulos 1, 7, 9 e 14 da Regra não-Bulada.

Foi possível perceber através deste estudo orientado por Frei Aldir, OFMCap, a grande riqueza desta regra, e que nas maioria das vezes, acabamos por ler sem realizar o devido aprofundamento. O estudo contribuiu para aprofundarmos o nosso conhecimento acerca da Cristologia Franciscana, bem como sobre a importância do conhecermos afundo a forma de vida em que nós, frades, escolhemos de livre e espontânea vontade viver, seguindo assim, os passos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Imagem (Fonte): Captura de Tela (Meet) – Frei Aldir Crocoli, OFMCap, durante os agradecimentos.

Os temas abortados por Frei Aldir, OFMCap, nos provocou a uma reflexão que é impossível não levá-la para o nosso cotidiano, como frades menores, seja em relação a convivência fraterna junto dos nos irmãos da Ordem ou junto com o povo de Deus. Assim sendo, agradecemos a Deus por tal dádiva e rogamos a Ele que continue abençoando este exímio frade, Frei Aldir, OFMCap, por nos conduzir com maestria durante os estudos desta semana. Que Deus nos dê a graça da santa perseverança!

Frei Douglas Brito Ribeiro Atanazio de Sousa, OFM (Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora – MT e MS)

Definitório Geral com o Papa Francisco: “Vimos o afeto do Papa por nós, franciscanos no mundo!”

No dia 7 de janeiro, o Papa Francisco recebeu em audiência, no Palácio Apostólico do Vaticano, o Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores, Frei Massimo Fusarelli, acompanhado por todos os membros do Definitório Geral, juntamente com o Procurador Geral, o Secretário para as Missões e Evangelização, o Secretário Geral da Ordem com o Secretário Pessoal do Ministro.

No final da audiência, que durou 45 minutos, o Ministro compartilhou que viveu um intenso e belo momento de diálogo, de escuta do Papa Francisco sobre a realidade da Ordem nas diferentes partes do mundo, referindo-se também a algumas situações particulares que dizem respeito à Igreja, testemunhando como «em particular o Santo Padre nos exortou a trabalhar com coragem entre os jovens, segundo as suas línguas e a favor das vocações, para não haver renúncias e saber olhar para a frente com confiança e fé no nosso futuro”, acrescentando, a respeito da paternidade e ternura do Papa, que devemos agradecer ao Senhor por este encontro, porque vimos o afeto do Papa por nós, franciscanos no mundo, e porque nos repetiu várias vezes que São Francisco é sedutor no melhor sentido da palavra, atrai e motiva”.

Por fim, o Sumo Pontífice convidou os frades “a viver de maneira evangélica e a trabalhar sabendo que possuem esta grande raiz de inspiração e atração”.

A audiência foi encerrada com a entrega de memórias a cada participante pelo Papa Francisco e uma curta viagem ao Palácio Apostólico.

Fonte: OFM / Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

Eleito o novo governo da Província Santa Cruz (MG)

No sexto dia do Capítulo Provincial da Província Santa Cruz, após a celebração eucarística realizada na capela do Seminário Seráfico Santo Antônio, em Santos Dumont/MG, os frades se reuniram nos grupos para discutir sobre as prioridades, moções e orientações para o triênio (2022–2024). Logo após, dirigiram para a sala capitular para apresentar as discussões realizadas nos grupos de reflexão.

Após a aprovação das prioridades capitulares, houve a eleição dos definidores que, juntamente com Frei Hilton Farias de Souza, ministro provincial, e Frei Gabriel José de Lima Neto, vigário provincial, animarão a caminhada da província no próximo triênio são eles: Frei Arlaton Luiz Soares de Oliveira, OFM, Frei Valter Pinto Vieira Júnior, OFM, Frei Adilson Corrêa da Silva, OFM e Frei Oton da Silva Araújo Júnior, OFM.

Realizada a eleição do novo governo provincial, todos se dirigiram à capela onde o presidente do capítulo, Frei Reginaldo Rômulo Monte Canto, presidiu a celebração de confirmação do novo governo da Província Santa Cruz para o triênio (2022-2024) que ficou assim constituído:

  • Frei Hilton Farias de Souza – Ministro Provincial
  • Frei Gabriel José de Lima Neto – Vigário Provincial
  • Frei Arlaton Luiz Soares de Oliveira – Definidor Provincial
  • Frei Valter Pinto Vieira Júnior – Definidor Provincial
  • Frei Adilson Corrêa da Silva – Definidor Provincial
  • Frei Oton da Silva Araújo Júnior – Definidor Provincial

Peçamos ao Espírito Santo, ministro geral da Ordem dos Menores, que ilumine nossos confrades no exercício de seus ministérios e lhes dê paz, sabedoria, humildade e perseverança para condução de seus trabalhos.

Frei Pedro Henrique Ferreira Duarte e Frei Robério Antunes Ruas, pela Equipe de Comunicação do Capítulo Provincial 2022

Fonte: Província Santa Cruz (MG)

No convento de Franca/SP, cinco jovens são admitidos ao Postulantado

Aconteceu na manhã deste domingo (09), no Convento Santa Maria dos Anjos de Franca/SP, a admissão dos cinco novos postulantes. A celebração foi presidida pelo nosso Custódio, Frei Fernando Aparecido dos Santos, OFM e contou com presença de toda a fraternidade local, bem como o povo de Deus que são benfeitores desta nossa casa de formação.

No dia em que celebramos a Festa do Batismo do Senhor, o Custódio nos convidou a reflexão acerca do nosso batismo, “nascidos da água e do espírito, devemos perseverar no amor”, assim, afirmamos em cada um de nós a radicalidade do evangelho de Jesus Cristo, do qual nos leva a sua configuração.

Cinco são os jovens que deram início hoje a etapa do postulantado: Ariel Altman Garcia, Daniel de Jesus Barreto, Dionnes Amaro Dionízio, Felipe Augusto Leite de Oliveira e José Carlos Costa Santos; e como símbolo de iniciação desta nova etapa, os jovens receberam o “tau franciscano”, após realizarem o compromisso, perante o Custódio.

Acreditando nesta vida de radicalidade ao modo franciscano de viver em fraternidade e menoridade, os novos postulantes também foram acolhidos pelo mestre, Frei José Aécio de Oliveira Filho, OFM e toda a fraternidade local.

Que Deus derrame suas bençãos e que a Virgem Maria, Rainha dos Frades Menores, interceda por cada jovem que hoje foi admitido ao postulantado. O Senhor que deu a graça do bom começo, dê também a perseverança até o final, para a vida eterna.

Ariel Altman Garcia e Felipe Augusto Leite de Oliveira (Postulantes)

Eleito o novo governo da Província Franciscana de Nossa Senhora da Assunção (MA/PI)

A Província Franciscana de Nossa Senhora da Assunção (MA e PI), tem alegria de celebrar 70 anos de fundação, missão e profecia nestas terras, e tem como tema desta celebração: “Celebrando a vida – Nossa história, nosso Horizonte” e como lema: “E vimos sua estrela…” (Mt 2,2).

Nesta ocasião a Província celebra e realiza o seu Capítulo Provincial intermediário no qual são escolhidos irmãos para animar a vida fraterna provincial. Os Frades eleitos foram: Frei Cristóvão Jackson dos Santos Melo, OFM, Frei Gilberto Magno da Cruz, OFM, Frei João Paulo Andrade Moreira, OFM e Frei Pedro Nazário de Sousa Filho, OFM. Ficarão neste serviço por um triênio.

Neste momento tão importante da nossa história, renovamos o compromisso de sermos uma presença de Deus, sinal de fraternidade universal e profecia, nestas terras maranhenses e piauienses, a exemplo de Francisco e Clara de Assis, para a Igreja e todo o Reino de Deus.

Rezemos pelas vocações de Nossa Igreja, Nossa Ordem e em especial de nossa Província.

O Senhor vos abençoe e vos guarde!

PAZ e BEM!

Secretaria Provincial (Província Franciscana Nossa Senhora da Assunção – MA e PI)

Aberto o Capítulo Provincial da Província Santa Cruz (MG)

O capítulo provincial é um momento de grande importância para a direção da vida e missão dos frades na província. No capítulo são escolhidas as prioridades de atuação para os próximos três anos.

O Capítulo Provincial 2022 da Província Santa Cruz começou no dia 04 de janeiro com a celebração eucarística presidida por Frei Hilton Farias de Souza, Ministro Provincial, no Guardianato Santo Antônio, em Santos Dumont-MG.

Antes de iniciar a celebração eucarística, devido à pandemia da COVID-19, todos os presentes foram testados. Os espaços utilizados para o capítulo também foram devidamente organizados, respeitando o distanciamento.

O capítulo provincial é um momento de grande importância para a direção da vida e missão dos frades na província. No capítulo são escolhidas as prioridades de atuação para os próximos três anos. Além disso, no capítulo provincial é eleito o governo provincial. No nosso caso, o governo da Província Santa Cruz é constituído por um ministro provincial, um vigário provincial e quatro definidores provinciais.

Após a celebração eucarística, os frades se dirigiram à Sala Capitular em procissão solene, precedida pelo Círio Pascal e pelo Evangeliário. Na sala capitular, Frei Reginaldo Rômulo Monte Canto, visitador geral e presidente do capítulo, tomou a palavra e se dirigiu aos presentes.

Em seguida, foi realizada a chamada dos capitulares e as ausências foram justificadas. Estão presentes no encontro mais de 85 frades, 61 deles capitulares, isto é, aqueles que elegem o governo provincial.

Por conseguinte, Frei Oton da Silva Araújo Júnior – em nome da Comissão Preparatório do Capítulo  –  fez uma memória dos passos e encaminhamentos (atribuições, processo de preparação, circulares, orações) realizados durante o ano de 2021 em vistas da celebração do capítulo provincial. Além disso, submeteu à aprovação dos capitulares as sugestões de nomes para as equipes de trabalho (secretário do capítulo, subsecretários, auxiliares, comissão de redação e síntese, moderadores, escrutinadores, peritos, equipe de liturgia, cronometristas e sineteiros, equipe de comunicação) e a agenda do capítulo.

Por fim, Frei Valter Pinto Vieira Júnior e Frei Arlaton Luiz Soares de Oliveira leram e submeteram à aprovação a ordem do Capítulo.

Os frades seguem reunidos em capítulo até o dia 10 de janeiro, segunda-feira.

Frei Pedro Henrique Ferreira Duarte e Frei Robério Antunes Ruas, pela Equipe de Comunicação do Capítulo Provincial 2022

Fonte: Província Santa Cruz (MG)


Identidade Visual oficial do Capítulo Provincial – 2022

Noviços professam os primeiros votos em Catalão/GO

No dia em que a Igreja celebra a Festa do Santíssimo Nome de Jesus, 03 de janeiro, doze noviços (7 da Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil – GO/TO e DF, 4 da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus – SP/MG e 1 da Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora) professaram seus primeiros Votos Religiosos de obediência, sem nada de próprio e em castidade na Paróquia Mãe de Deus, em Catalão/GO.

Para ser um Frade Franciscano é preciso sentir a vocação, ou seja, sentir-se chamado por Deus a trilhar um percurso que te interpela a uma vivência em fraternidade e, com outros vocacionados; abraçar uma vida em comum e consagração a Deus no serviço a Igreja e ao Povo. É uma forma também de confirmar teu batismo de modo mais profundo. Esta vida deve configurar-se na pessoa de Jesus, tendo os Evangelhos como instrumento vivo e atual, e São Francisco como inspirador de uma espiritualidade que te faz sentir e te alimenta nessa experiência vocacional.

Ser Frade é estar ao serviço dos menores e excluídos da sociedade e ir de encontro as periferias existenciais e locais, lá onde estão as dores físicas, sentimentais e sociais. É ser um com todos, é ser irmão, onde possam construir um reino de justiça, equidade e bem-comum. E nessa certeza evangélica, abraçar um projeto que faça vencer o ódio, a fome, a violência, o genocídio, uma pandemia, um sistema que fere e mata, pois ser frade é querer e desejar do fundo do coração um mundo de amor.


Frades da Custódia, que professaram os primeiros votos:


Esse é um pouco do objetivo principal de ser um franciscano, além dos estudos, trabalhos, missões, serviços e ministérios confiados a cada vocacionado que deseja se lançar nessa vida. E isso foi o desejo de cada noviço que professaram seus votos. Uma etapa experimentada em suas vidas de muitas outras que virão. O noviciado é uma experiência de vida conventual e fraterna que são vividas durante um ano, que ao seu término, com satisfação e alegria, dão a cada um sentimentos particulares que os fazem olhar o mundo no modo de Cristo e de São Francisco.

Que cada neo-professo seja uma gota da graça de Deus e espalhem com fé e alegria a paz e o bem a todos os homens e mulheres por Deus amado.

PAZ e BEM!

Frei Suelton Costa de Oliveira, OFM

11 jovens são revestidos com o Hábito Franciscano no Noviciado Comum, em Catalão/GO

Na manhã desta segunda-feira, 03 de janeiro de 2022, 11 jovens foram admitidos ao ano de provação no Noviciado Comum, em Catalão, no Estado de Goiás.

Há 20 anos o noviciado acontece de forma “comum” entre três entidades da Ordem dos Frades Menores no Brasil: Província do Santíssimo Nome de Jesus (GO, TO e DF), Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e a Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG).

Estes jovens, após realizarem a caminhada formativa própria de suas entidades, pediram para serem admitidos ao ano de “Provação”, como tradicionalmente é chamado o ano de noviciado em nossa ordem.

Os noviços da nossa Custódia são:

Custódio com os três noviços | Da esquerda para a direita: Frei Luiz Carlos, OFM, Frei Fernando Ap. dos Santos, OFM (Custódio), Frei Jarder Rodrigues, OFM e Frei André Felipe, OFM

Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG)

  • Frei André Felipe Pereira Martins, OFM
  • Frei Jarder Rodrigues Leite, OFM
  • Frei Luiz Carlos da Silva Pinto, OFM

Além dos que pertencem a nossa Custódia, também foram admitidos os seguintes jovens:

Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS)

  • Frei João Pedro Gall Macena, OFM

Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF)

  • Frei Carlos Antônio Sartim, OFM
  • Frei Daniel Ferreria de Amorim Mendes, OFM
  • Frei Elias Maurício dos Santos Ferreira, OFM
  • Frei José Augusto Lemos Moraes Pires, OFM
  • Frei Matheus Pereira Souza, OFM
  • Frei Natanael Carvalho Amorim, OFM
  • Frei Pedro Rodrigues dos Santos, OFM
Todos os frades da Província do Santíssimo Nome de Jesus do Brasil (GO, TO e DF), da Custódia Franciscana das Sete Alegrias de Nossa Senhora (MT e MS) e de nossa Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (SP e MG) que estiveram presentes na vestição dos novos noviços, turma 2022.

Deus dê a estes nossos irmãos, a graça de uma caminhada frutuosa e um bom discernimento.

Fraternalmente,

Frei Lucas de Oliveira Santos, OFM

Educandário Santo Antônio de Bebedouro/SP reúne crianças e colaboradores para confraternização

Um almoço especial foi realizado para celebrar os desafios e conquistas de 2021

No dia 14 de dezembro, depois de 1 ano e 9 meses do distanciamento social imposto pela pandemia, nos foi permitido estarmos juntos crianças e colaboradores, para um evento cheio de alegria e gratidão.

Com responsabilidade, protocolos e cuidados preventivos o Educandário proporcionou o seu tradicional almoço de Natal com o Patrocínio da Louis Dreyfus Company.

Em mais uma edição, além do almoço as crianças foram presenteadas com um kit contendo um par de tênis, guloseimas e uma camiseta de uniforme.

O clima do Natal contagiou a todos os presentes através das apresentações musicais e encenação do presépio realizada pelas crianças, e a presença do Papai Noel.

Marcaram presença no evento os representantes da Louis Dreyfus: Bruno Cerqueira, Antonio Chiarotti, Juliana Pires, Alex Pretti e Marília Ferreira; Representantes da Prefeitura Munipal: Rogério Valverde, Dr. Helio José dos Santos Souza e Elaine Lucas; Diretores, Funcionários, Voluntários e Frades Franciscanos.

Os parceiros, voluntários e diretoria foram homenageados pela equipe do Educandário e receberam mimos confeccionados pelos educandos na oficina de Arte Artesanato.

Agradecemos a Louis Dreyfus Company, pela sólida parceria que demonstra reconhecimento e apoio à missão do Educandário; aos Funcionários pela dedicação e empenho na organização do evento e a empresa Bebidas Poty, pela doação dos refrigerantes do evento.

Estendemos nossa gratidão aos colabores: Buffet Furlan, Rogério Mazzoneto, José Geraldo Mello /Coopercitrus e Bebedouro Serv-Festa.

Marketing – Educandário Santo Antônio de Bebedouro/SP

Mensagem do Ministro Geral para o Natal

Roma, 8 de dezembro de 2021

A todos os Frades Menores da Ordem

A todas as Irmãs Pobres da Ordem de Santa Clara

Aos irmãos e amigos da nossa Ordem

Caros Irmãos e Irmãs, o Senhor lhes dê a paz!

Eu gostaria de entrar com vocês nos sentimentos de São Francisco, quando naquele Natal de 1223 satisfez o inquieto impulso de encaminhar-se entre as rochas e os bosques em torno da vila de Greccio. Não sozinho, mas acompanhado pelos seus irmãos e por uma humanidade simples e pobre, feita de camponeses, de gente humilde. O que impulsionou Frei Francisco a viver aquele Natal foi o desejo irresistível de ver com os seus olhos a pobreza em que o Senhor Jesus quis nascer. E isto para crer que Ele – crucificado e ressuscitado – está presente, vivo e glorificado no Espírito Santo, escondido sob parca aparência de pão até o dia de seu retorno.

Clara viverá deste olhar estupefato e amoroso que nutre a sua fé e a concentra na pobreza de Jesus, desde o seu nascimento, ao longo de toda a sua vida, até à cruz. A vida de Clara é transformada e feita em tudo semelhante ao Crucificado pobre, juntamente com suas irmãs.

Ver e crer são dois verbos, sabemo-lo bem, centrais na vida de São Francisco.

Ver lembra-nos a “fisicidade” da fé de Francisco: não lhe basta pensar, mas ele quer ver com os olhos, tocar com as suas mãos, sentir o cheiro com o nariz, ouvir com seus ouvidos, degustar com a sua língua. Em suma, toda a sua pessoa, os seus sentidos, são colocados em movimento pelo desejo, por aquilo que mais profundamente o move. A fé é simplesmente vida para ele.

Pergunto-me se ainda tenho forte em mim o desejo de ver e de tocar o Senhor. Talvez outra coisa me move muito mais. Então tenho necessidade, como Francisco, de sair da minha zona de conforto e de colocar-me a caminho para um lugar diferente e talvez hostil, a que aludem o bosque e as rochas de Greccio. É aqui que posso escutar de novo aquele desejo que habita em mim, no gemido próprio da criação, nossa casa comum: ver o Senhor Jesus no mistério da sua pobreza e fraqueza, abrir-me e abrir- -nos ainda no Espírito a um renovado encontro com Ele.

Francisco viveu este encontro de modo “físico”: toca o corpo do Senhor no Evangelho, lido e escutado a cada dia; ele o vê no leproso, nos seus irmãos, nos sacerdotes pobrezinhos, nos pecadores; a pobreza de Jesus no paradoxo da condição humana, magnífica, mas ao mesmo tempo destinada à morte. Finalmente libertado do amargor e do medo, olhou nos olhos esta fragilidade.

Do encontro com Jesus floresce para ele a alegria da fé, o olhar novo do homem ressuscitado que vê a presença de Deus em todas as criaturas e por isso o louva e lhe restitui todo bem.

Crer: a fé é acesa por aquele encontro que me tocou e deixou o seu sinal na carne da minha vida. O nosso crer individual nasce e é guardado pelo grande “sim” da fé da Igreja. É este o ato que aquele ver, aquele tocar e deixar-se alcançar realiza. Procuremos o eco deste “sim” mesmo na misteriosa viagem que, por caminhos diversos, tantas pessoas fazem em direção ao Mistério.

O ver sem crer poderia deixar a minha fé à mercê da emoção do momento.

Um crer sem ver poderia reduzir a fé a uma ideia que simplesmente não tem nada mais a ver com a minha vida e cai, mesmo quando exteriormente continuo a realizar os atos religiosos.

A alegria é o sinal que mostra que nossa fé ainda está viva; a tristeza e o lamento são a câmara de gás da fé que lentamente se narcotiza, perde o contato com a “fisicidade” da nossa carne, da vida e se torna só intelectual ou moralista. Ou desaparece.

Estejamos vigilantes, irmãos e irmãs benditos, porque isto pode acontecer também a nós e de fato acontece, quando: dou como garantida a fé e não cuido de modo criativo da vida de oração no silêncio e na contemplação, perco o contato com a palavra de Deus, deixo que a Eucaristia se torne uma rotina, não recorro alegremente ao Sacramento da Reconciliação, separo a fé da vida, não perdoo e não gasto a minha vida pelos outros, me distancio dos pobres e me adapto a uma vida cômoda e garantida.

Ver e crer, eis os passos de Francisco, desarmadores na sua simplicidade e profundidade.

Neste Natal de 2021, vivamos ainda a espera do Senhor que nutre a fé. Ele está presente no lusco-fusco deste tempo que nos pede escuta, discernimento e decisão:

– o medo difundido da pandemia que parece não ter fim e nos está modificando, inclusive o lugar que a ciência e a tecnologia ocupam como nunca e em nenhum lugar;

– a solidariedade que tantos colocaram em campo nesta emergência, como não pensávamos;

– o amontoar-se de tantos migrantes e refugiados em tantas fronteiras, com o senso de impotência que isto nos dá;

– os sinais concretos de acolhida e de abertura ao outro, pagando pessoalmente;

– o sofrimento de nossa irmã terra, arranhada pela fadiga de tantas mulheres, homens e crianças na sua dignidade física e moral;

– os sinais de resistência e de responsabilidade para com o futuro da nossa casa comum, sobretudo dos mais jovens;

– os focos de guerra, de terror e de repressão espalhados pelo mundo, tantos de que não se tem notícia;

– o trabalho silencioso de quem se torna de muitos modos operador e mediador de paz e de justiça.

Este elenco poderia continuar. Somos chamados a celebrar o Natal com os olhos capazes de ver esta realidade em nós e em torno de nós. Cada um, a partir de si mesmo, dê um passo em direção àquele bosque de Greccio entre as rochas para ver um Menino que nasce exatamente nesta realidade pobre.

Neste Natal, creio que sou e somos chamados a ver e crer em um mundo novo.

No-lo pede o tempo que vivemos, o qual termina com toda segurança, mesmo religiosa.

No-lo pede a própria dinâmica da fé, que é caminho, busca, adesão sempre renovada.

No-lo pede a nossa vida religiosa, que hoje exige uma profunda ressignificação nos diferentes contextos em que vivemos no mundo.

No-lo pede também o medo que talvez ainda temos de Deus: recordemos que Ele nos dá tudo e não nos tira nada; oferece-nos a si mesmo como um pai que faz com seus filhos; revela-nos o seu rosto de misericórdia e de graça para que a nossa humanidade viva.

No-lo pede o fato de que hoje a fé perde sentido para a vida de tantas pessoas no mundo e frequentemente também para nós que escolhemos o seguimento do Senhor.

Francisco surpreende-nos como sempre e indica-nos a estrada que leva a Greccio, isto é, aos lugares remotos, distantes das grandes rotas, para redescobrir exatamente aí a possibilidade de um crer novo, rico também hoje de vida e de futuro, a buscar como peregrinos na noite.

O meu voto para este Natal de 2021 está todo aqui: que possamos abrir os olhos no Espírito Santo e crer no mistério da pobreza de Jesus e da sua Santíssima Mãe. E a partir destes “olhos espirituais” deixar reacender a chama da fé. Acesos pelo fogo do Espírito Santo, nós nos tornaremos sempre mais incandescentes contra todo imobilismo gélido do coração. Seremos assim, nas diversas partes do mundo que habitamos, aquele sinal profético que somos chamados a ser por vocação, presença de Cristo crucificado e ressuscitado para cada irmão e irmã que o Senhor nos permite encontrar. Eis o sinal profético que Francisco e Clara foram no calor da sua fé, que foi busca humilde – e não sua posse – da Presença do Vivente em todas as criaturas.

Eis o sinal que podemos ser cada vez que não tivermos medo de ainda ver e crer.

Bom Natal, irmãos e irmãs, e recordemos uns aos outros o Senhor que vem.

Seu irmão e servo,

Fr. Máximo Fusarelli, OFM (Ministro Geral)

Fonte: OFM