Paróquia Nossa Sra. Aparecida de Olímpia/SP é elevada a Santuário Diocesano no dia de sua padroeira

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

Muita fé e devoção marcaram ontem (12), a Elevação da Paróquia Nossa Senhora Aparecida a Santuário Diocesano. A elevação reuniu muitos fiéis ao longo do dia, onde puderam vivenciar sua devoção a Mãe Aparecida.

As festividades teve início com a missa da alvorada as 0h, celebrada por Frei Lucas Lisi Rodrigues, OFM, pároco da Igreja e agora reitor do Santuário. Ao longo do dia, outras oito celebrações foram realizadas. As 19h30 aconteceu a missa de Elevação, sendo presidida pelo Bispo Diocesano de Barretos/SP, Dom Milton Kenan Junior, que agradeceu a conquista, enfatizando o trabalho incansável de evangelização e ações sociais dos frades franciscanos junto à comunidade paroquial.

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

As 6h mais de 300 ciclistas, reunidos na frente do Convento São Boaventura, participaram do 2º Pedal da Fé. Os ciclistas pedalaram até o bairro de Álvora, retornando para a praça da Matriz onde foram recebidos e abençoados. As 8h aconteceu também a 2ª Cavalgada da fé. O trajeto que reuniu 100 cavaleiros, saiu do Matadouro, percorrendo as ruas da cidade e chegando ao Santuário em ritmo de oração. As 13h houve também a carreata pela cidade e benção de veículos.

Do lado externo da Igreja, os fiéis encontravam várias formas para agradecer e manifestar sua fé. Cantinho da Promessa, Arco da Fé, Velário, Fitário, apresentação de teatros, coreografia do Hino do Santuário foram alguns dos destaques para os devotos. Foram montadas barracas para bençãos e confissões, onde os Freis realizaram atendimento ao longo de todo o dia. As missas foram transmitidas por telões na praça da igreja e pelas redes sociais do Santuário.

O Prefeito da Estância Turística de Olímpia, Fernando Cunha, devoto de Nossa Senhora Aparecida, participou da cerimônia que marca o Turismo Religioso na cidade. O ato de descerramento da placa de elevação, colocada no interior da igreja, contou com participação do Prefeito Fernando Cunha, do Bispo Diocesano Dom Milton, do Reitor do Santuário Frei Lucas e do Custódio, Frei Fernando.

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

Como comunidade, somos gratos a Deus pela graça que recebemos: ver a Igrejinha se tornar um Santuário! Que a Virgem Aparecida continue nos fortalecendo e ajudando neste caminhada de cristão. 

PASCOM – Olímpia/SP

Paróquia Nossa Sra. Aparecida de Olímpia/SP será elevada a Santuário Diocesano na noite de hoje

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

Na noite de hoje (12), dia de Nossa Senhora Aparecida (Padroeira do Brasil), a nossa Custódia se rejubila com a Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Olímpia/SP, pois a mesma será elevada a Santuário Diocesano.

Presidida pelo Bispo Diocesano de Barretos/SP, Dom Milton Kenan Júnior, a celebração acontecerá às 19h30, contando com a presença de vários frades, religiosos, padres e todo o povo de Deus.

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

Pertencente a Diocese de Barretos/SP e construída sobre o antigo cemitério da cidade, a paróquia foi fundada no ano de 1958 pelos Frades Franciscanos e é conhecida pelos moradores locais como “Igrejinha”.

Por estar situada em uma cidade turística, os visitantes são atraídos pela beleza e estética desta igreja, cujo formato é de uma cruz e que tem o seu presbitério e altar feito todo em mármore. Em suas paredes existem belas pinturas que também chamam a atenção dos turistas. Todas elas são obras do “Dakinho”, artista olimpiense.

Imagem (Fonte): Diário da Região

Em conversa com a nossa equipe de comunicação, o pároco e futuro reitor, Frei Lucas Lisi Rodrigues, OFM, apresentou um pouco da estrutura e programação deste dia festivo: “Mesmo que de maneira improvisada e ainda aprendendo, estamos criando um ambiente de santuário, onde os romeiros e filhos de Nossa Senhora já podem visitar, em especial a sala das promessas, o fitário e o velário. Durante todo o dia haverá missas e atendimento de confissões, bem como um momento de benção dos carros. Também acontecerá o 2º Pedal da Fé e a 2ª Cavalgada, dentre outros momentos para bem comemoramos o dia da Mãe Aparecida!”


Acompanhe a programação:

Imagem (Fonte): PASCOM – Olímpia/SP

Rogamos a Mãe Aparecida que interceda por todo o povo brasileiro, e neste dia em especial, por todos os olimpienses que logo mais, verão a amada “Igrejinha” ser elevada a Santuário Diocesano. Assim concluiu o frade: “O que hoje estamos vivenciando, é fruto de uma comunidade viva, fruto do trabalho de todo o povo de Deus. Que Deus abençoe a todos!”.

Fraternalmente,

Equipe de Comunicação


Conheça a música tema do “Santuário Nossa Senhora Aparecida” de Olímpia/SP

Carta do Ministro Geral e do Definitório para a Festa de São Francisco

Renovemos nossa visão, abracemos nosso futuro

Queridos irmãos e irmãs!

Que o Senhor lhes dê paz!

Recentemente, nossa Ordem Franciscana celebrou seu Capítulo Geral e esta é a primeira vez que nos dirigimos a vocês como irmãos do Definitório Geral. Começamos nosso trabalho como Fraternidade Definidora e estamos estudando exaustivamente os mandatos e diretrizes que o Capítulo Geral  nos confiou, para traçar as linhas-guia para a animação da Ordem durante o próximo sexênio. Esperamos fazer chegar a você estas propostas o mais rápido possível.

Entre fragilidade e mudança

Uma imagem franciscana que nos ajuda nesses tempos que vivemos é o regresso de Francisco da Terra Santa. Segundo algumas tradições, ele viveu um confinamento em uma pequena ilha da laguna de Veneza, onde experimentou a fragilidade de seu mundo, a crise da Fraternidade, suas lutas internas, um combate entre escuridão e desolação. No entanto, Francisco manteve uma resposta de gratidão, juntamente com uma visão fundada na esperança. (cf. Rnb 23).

Também hoje, a Ordem está dividida entre a esperança e o desânimo, entre o crescimento em algumas áreas e o declínio em outras. Nos movemos entre o caminho de renovação de nossa identidade de Frades Menores e o clericalismo que nos dá poder e segurança e nos faz acreditar que não temos necessidade de ninguém, afastando-nos de nossa vocação e missão de Frades Menores. Por isso, devemos deixar-nos tocar mais uma vez pelo lema do Capítulo Geral: “Levanta-te… e Cristo te iluminará (Ef 5,14)”.

Estamos em um momento de mudança, que envolve a todos e também acreditamos que devemos nos colocar neste clima de profunda transformação, encontrando caminhos novos e positivos. Este não é apenas um desafio, mas sim, um dom desses tempos em que vivemos. O presente nos desafia, nos coloca em situação de sobrevivência e vulnerabilidade.

É uma experiência profunda a de nossa existência que nos convida a caminhar, da melhor maneira, e a aprofundar no nosso estilo de vida que professamos, para que reconheçamos que às vezes nos esquecemos e não vivemos segundo a inspiração carismática que nos chama a ser Frades Menores. Sentir-nos vulneráveis nos permite reconhecer nossas fraquezas pessoais e fraternais e ir entre as pessoas com humildade, simplicidade e alegria.

Para nos animarmos e nos apoiarmos na esperança nesses tempos de mudança, fragilidade e vulnerabilidade, nos podem ajudar algumas atitudes:

  1. Reconhecer e aceitar nossa fragilidade humana, na nossa fraternidade e no mundo que nos rodeia.
  2. Reconhecer a bondade, a beleza, a justiça, os valores gravados nos corações dos homens e mulheres do nosso tempo, para crescer e desfrutar enquanto acompanhamos os outros em suas alegrias pelo que o Altíssimo está fazendo em suas vidas, famílias e comunidades, onde vivem e trabalham.
  3. Ouça o convite para mudar, para poder amar sem medo, iniciar processos de libertação e ir aos locais de fratura, onde a vida sofre e grita com toda a sua força. Esses gritos sobem ao céu e Deus os ouve.

Alguns convites

No Documento Final do Capítulo Geral, há cinco convites que nos são propostos e que constituem um itinerário para todos nós: um convite à gratidão, um convite para renovar nossa visão, um convite à conversão e à penitência, um convite para missão e evangelização e um convite a abraçar o nosso futuro. Para nós “Frades Menores”, tais convites não são opcionais, pelo contrário, apresentam-se como critérios necessários para perseverar em um caminho de fidelidade junto às cinco prioridades da Ordem conhecidas de todos.

Relendo esses cinco convites, como um itinerário, percebemos que somos chamados, a partir da gratidão pelos bens recebidos, a criar ação constante de agradecimento, e a restituir continuamente a Deus todos os bens. Entre esses bens, reconhecemos o crescimento da Ordem em alguns continentes como África e Ásia e, por todas as partes, o testemunho sincero de tantos irmãos ao lado dos necessitados. Esta gratidão vem a partir do dom do Espírito que renova nossa maneira de ver o mundo e sua história, reconhecendo os sinais dos tempos e a presença de Deus.

No entanto, para que seja verdadeira, esta visão renovada deve abrir nossos olhos à necessidade de conversão e penitência, para que verdadeiramente possamos renovar muitas de nossas atitudes que necessitam ser purificadas. As áreas que precisam de renovação e conversão são as de nossa vida fraterna e minoridade, já que, como diz o Documento Final do Capítulo, fraternitas e minoritas são os dois pulmões de nossa identidade. A fraternidade e a minoridade devem ser vividas, certamente, entre nós, em nossas comunidades, e sobretudo devem caracterizar-se por nossa proximidade com as pessoas que encontramos, para sermos irmãos e menores de todo o mundo. Os pobres e os que sofrem e os que vivem na necessidade são os destinatários privilegiados do nosso desejo de ser irmãos e menores, reconhecendo-os como nossos mestres (cf. CCGG 93§1). Como nos disse o Papa em sua mensagem ao Capítulo: “O olhar renovado, capaz de abrir-nos para o futuro de Deus, o recebemos de nossa proximidade com os pobres, as vítimas da escravidão moderna, os refugiados e os excluídos deste mundo. Eles são vossos mestres. Abrace-os como fez São Francisco!”

Do olhar dos pobres e dos vencidos

Os irmãos capitulares nos convidam, dentro do contexto da pandemia que vivemos como humanidade, a fazer um esforço para ler a realidade, a história, a cultura, a economia e a Igreja desde o lugar onde vivem os pobres, os que não valem nada, os marginalizados. Assim, com um novo olhar profundo, crente, encarnado e teológico, podemos abraçar e deixar-nos abraçar pelos pobres e os desfavorecidos. Por isso precisamos purificar e transformar nossa visão, ao modo de Jesus, do Poverello de Assis e dos milhares de Irmãos e irmãs que nestes 800 anos souberam se colocar no verso da história, com uma verdadeira atitude franciscana.

Como São Francisco, isso nos abre o caminho da itinerância, para viver como “peregrinos e estrangeiros neste mundo” (Rb 6,2), livres para a missão e evangelização, como fraternidade contemplativa em missão, com o olhar fixo no futuro, dirigindo nossos passos para a outra margem, assim como Jesus convidou seus discípulos. Não devemos ter medo de seguir novos caminhos, respondendo às exigências de um mundo em constante mudança. Não podemos nos contentar em repetir o que sempre foi feito, com todo respeito a uma história que foi grande justamente porque soube se renovar constantemente ao longo de oito séculos.

Particularmente, nosso tempo requer uma atenção específica à “casa comum”, do ponto de vista da ecologia integral, segundo o que nos ensina o Papa Francisco. A novidade dessa perspectiva encontra-se no fato de ler de forma interconectada toda a realidade, desde a relação com Deus à atenção ao meio ambiente, ao compromisso pela justiça e paz, e cremos que este é um desafio de grande urgência para nós. Se nosso estilo de vida, que inclui uma certa busca de conforto, não é coerente com esta perspectiva, deveríamos reconhecer que aqui também precisamos de penitência e conversão. É importante ter presentes as Encíclicas papais Fratelli Tutti e Laudato Si’, que suscitam em nós a disponibilidade de nos colocarmos em caminho, a estudar e nos comprometermos com o bem da vida. Estas, além disso, são um sinal profético que mostra como é realmente possível um modo de viver e relacionar-se à luz do Evangelho e da práxis de São Francisco e Santa Clara, segundo o espírito que nos leva a ser bons administradores e não proprietários, a conviver e não acumular.

A esperança renasce quando aprendemos a não ter medo de recomeçar quantas vezes seja possível. Sigamos em frente todos juntos: atrás de nós há uma rica história, que nos próximos anos também celebraremos por meio dos centenários franciscanos, e diante de nós há um futuro que desejamos receber com esperança. Queremos oferecer ao nosso mundo uma palavra de confiança e esperança, da qual tem uma grande necessidade.

Convidamos todos os que se inspiram em São Francisco a optar por estar sempre grato Àquele que molda a vida de cada um de nós e de todas as pessoas que encontramos, de uma forma ou de outra, ao longo do caminho da vida e da história. Somos convidados a participar de forma responsável numa cultura de cuidado, garantindo que nossas fraternidades e todos os ambientes pastorais sejam saudáveis ​​e importantes, onde nenhum sinta que sua vida, integridade e dignidade estejam ameaçadas.

Somos convidados a ser construtores de pontes de comunicação e diálogo. Queremos estar ao lado de quem foi abandonado social, cultural e eclesialmente, igualmente com aqueles que são forçados pelas realidades econômicas e políticas a se tornarem migrantes, trabalhando ao lado de tantos homens e mulheres de boa vontade, assim como das organizações leigas verdadeiramente comprometidas com este fim. Assim, nossa vida franciscana será sempre uma vida de encarnação e compromisso fraterno e político com os bem-aventurados do reino de Deus. (Mt 5,1-12. 25,31-46)

Conclusão

Queridos irmãos e irmãs, não olhem para a Cúria Geral como um lugar distante: estamos aqui por vocês e queremos estar perto de vocês. Faremos nossa parte para buscar o contato com vocês e com as Entidades da Família Franciscana e confiamos em sua vontade de entrar em contato conosco.

Seguindo o exemplo do Papa Francisco que conclui seu discurso sempre pedindo para rezar por ele, também pedimos que vocês rezem por nós.

Com um abraço fraterno, desejamos uma boa Festa de São Francisco!

Ministro Geral e Irmãos Definidores (Roma – 2021)

Tradução Livre: Setor de Comunicação – Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

Frei Valmir Ramos, OFM é eleito Visitador Geral da Província de São Francisco de Quito/Equador

Frei Valmir Ramos, OFM durante o Capítulo Geral da OFM em Roma/Itália – Julho/2021

Alguns dias atrás, o Ministro Geral e o seu Definitório estiveram reunidos na Cúria Geral e na sessão do dia 14 de setembro, elegeram o frade que desempenhará o serviço de Visitador Geral na Província São Francisco de Quito/Equador. O frade eleito foi o nosso confrade Frei Valmir Ramos, OFM, ex-Definidor Geral da OFM para a América Latina.


Visitador Geral: O que é?

O visitador é chamado de “Visitador Geral” por ser um representante/delegado diretamente do Ministro Geral, bem como, por realizar a visita em nome da Ordem dos Frades Menores (OFM). É o Definitório Geral da Ordem que elege o mesmo, com o serviço de visitar a todos os frades de uma Custódia ou Província. (Cf. CCGG, Art. 213)

Durante estas visitas, o Visitador Geral deve admoestar, confortar e se preciso for, corrigir na humildade e caridade os irmãos. Tem a missão de conhecer as condições e todas as iniciativas dos confrades, das fraternidades e Província, pois estará olhando com um olhar de fora da realidade; facilitando a ajuda no que for necessário para os encaminhamentos futuros da entidade. (Cf. CCGG, Art. 213)

Após todas as visitas, o Visitador Geral deve realizar um relatório abordando a realidade, levando em consideração a vida franciscana (vida de oração, vida fraterna, minoridade, formação, trabalho, evangelização, economia, dentre outros), a ser enviado para o Ministro Geral e para o Capítulo Provincial.


Uma breve biografia…

Frei Valmir Ramos, OFM durante o Capítulo Geral da OFM em Roma/Itália – Julho/2021

Frei Valmir Ramos, OFM, nascido no dia 31 de maio de 1965 é natural de Franca/SP. Entrou para a Ordem dos Frades Menores e foi vestido com o habito franciscano no dia 16 de janeiro de 1989. Professou os primeiros votos no dia 02 de fevereiro de 1990 em Catalão/GO. Professou Solene no dia 30 de abril de 1993 e Ordenou Diácono em 11 de agosto de 1993. Foi Ordenado Sacerdote no dia 28 de janeiro de 1994 em sua cidade natal. Serviu a nossa Fraternidade Custodial como Custódio de 2001 a 2010. Foi eleito Definidor Geral para a América Latina no Capítulo Geral de 2015, para o sexênio 2015-2021. Atualmente, está retornando da Cúria Geral da OFM (Roma/Itália) para residir em sua Custódia de origem, a Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus (Interior de São Paulo e Triângulo Mineiro – Brasil).


A Fraternidade Custodial deseja ao confrade, Frei Valmir Ramos, OFM, votos de um profícuo serviço em prol da Ordem dos Frades Menores e da Província São Francisco de Quito/Equador. Que o Seráfico Pai São Francisco o abençoe e que nossa mãe Maria, Rainha da Ordem interceda por ele durante este árduo trabalho!

Fraternalmente,

Equipe de Comunicação

Educandário Santo Antônio de Bebedouro/SP elege nova diretoria (2021-2023)

Realizada na noite de segunda-feira, 20 de setembro, na sede do Educandário, a assembleia de eleição e posse da Diretoria do Educandário para o biênio 2021-2023 foi conduzida pelo Frei Fernando Aparecido dos Santos, atual Custódio da Custódia do Sagrado Coração de Jesus e pelo reeleito Presidente do Educandário, Mario Luiz Ribeiro, além da presença de funcionários e equipe gestora.

A acolhida foi conduzida pelo Frei Everton Leandro Piotto e ao decorrer da assembleia ocorreram agradecimentos, apresentação de resultados, conquistas, dificuldades e desafios enfrentados, sobretudo diante da pandemia.

Com muito carinho e alegria agradecemos a todos os voluntários da antiga e da nova Diretoria Estatutária. Neste novo ciclo que se inicia, rogamos a Deus que continue iluminando o Educandário e sua nobre missão junto às 275 crianças e adolescentes, à luz do carisma franciscano.

Fonte: Educandário Santo Antônio de Bebedouro/SP


Veja como ficou composta a nova Diretoria e o Conselho Fiscal

DIRETORIA

Presidente: Mário Luiz Ribeiro

Vice – Presidente: Márcia Heloísa Iquegami

Primeiro Diretor Tesoureiro: Luís Carlos de Freitas

Segundo Diretor Tesoureiro: Débora Carla Domingues do Carmo

Primeiro Diretor Secretário: Lúcia Helena Cassiano Michelon

Segundo Diretor Secretário: Ana Sílvia Barbon Cipoli

Primeiro Diretor de Patrimônio: Glauter Machado

Segundo Diretor de Patrimônio: Murillo Ricardo Lombardo Poletto

Primeira Diretora de Voluntariado: Regina Célia Frota Boggio

Segunda Diretora de Voluntariado: Patrícia Caldas Tourinho Maio Fernandes

Primeiro Diretor de Eventos: Fernando Boldrini

Segundo Diretor de Eventos: Sérgio Iwao Sakomura

Primeiro Diretor Social: Antônio Carlos Costa Limão

Segundo Diretor Social: Nathália Melo Quintella Belizário

Frades Franciscanos: Frei Fernando Aparecido dos Santos, Frei Nivaldo Pasqualim e Frei Everton Leandro Piotto


CONSELHO FISCAL

Membros Efetivos: Sérgio de Jesus Marangoni, Mateus Guilherme Chiarotti e Rafael Mello Luciano da Silva.

Membros Suplentes: Murillo José Forte, Sônia Stabile de Souza e Luís Antônio Nogueira.

Aos 40 anos, Frei José Hugo é eleito Ministro Provincial dos Conventuais

Aos 40 anos, Frei José Hugo da Silva Santos é o novo Ministro Provincial da Província São Francisco de Assis, da Ordem dos Frades Menores Conventuais (OFMConv). O secretário Provincial foi eleito na sessão capitular que começou às 10h30 desta quinta-feira, 23 de setembro de 2021. Frei Hugo assume o serviço que foi de Frei Aloísio de Oliveira.

Frei José Hugo é natural de São Paulo, onde nasceu no dia 3 de março de 1981. Ele ingressou na Ordem Franciscana em 16 de fevereiro de 1999, onde fez a sua profissão simples em 17 de fevereiro de 2003, tornando-se professo solene em 17 de fevereiro de 2007. Foi ordenado presbítero no dia 29 de março de 2008, na Igreja Senhor do Bonfim, por Dom Angélico Sândalo Bernardino, então bispo de Blumenau.

O novo Ministro Provincial é graduado em Filosofia, Bacharel em Teologia e Administração de Empresas. Nos últimos oito anos ele foi escolhido para ser ecônomo provincial, onde realizou um trabalho extremamente positivo à Fraternidade Provincial.

No Capítulo de 2013, Frei José Hugo foi eleito como ecônomo e formador do pós-noviciado; em 2017, foi reeleito ao cargo de ecônomo e, desta vez, também foi eleito Secretário Provincial e Diretor do Colégio Franciscano Seibo, em Mogi das Cruzes-SP. Além disso, trabalhou diretamente na administração da Milícia da Imaculada.

Hoje, foi escolhido pelos irmãos para coordenar a Província São Francisco de Assis, da Ordem dos Frades Menores Conventuais.

Os Frades Menores Conventuais (OFMConv) estão reunidos desde o dia 20 de setembro na casa de Retiros São Francisco de Assis, em Campo Largo (PR), onde está acontecendo a primeira fase do XII Capítulo Provincial ordinário da Província São Francisco de Assis. Participam desta assembleia 47 frades, entre eles Frei Rogério Xavier (assistente geral da Federação dos Conventuais da América Latina-FALC), que presidirá às sessões, e três freis convidados: Frei Clevis Mafra dos Santos (MA), Frei Ronaldo Gomes da Silva (RJ) e Frei Gilberto de Jesus Rodrigues (DF).

O tema escolhido para inspirar este capítulo, é a Regra de vida dos Frades Menores, deixada por São Francisco de Assis: “Regra e a Vida destes irmãos é esta: viver em obediência, em castidade e sem nada de próprio e seguir a doutrina e as pegadas de Nosso Senhor Jesus Cristo” (RNB 1,1)

Oremos por nosso novo Ministro Provincial e por toda Ordem!

Fonte: Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil


Conheça mais sobre os Franciscanos Conventuais…

Frades Franciscanos Conventuais iniciam hoje o Capítulo Provincial

De 20 a 24 de setembro, na casa de Retiros São Francisco de Assis, em Campo Largo (PR), acontecerá a primeira fase do XII Capítulo Provincial ordinário da Província São Francisco de Assis, da Ordem dos Frades Menores Conventuais (OFMConv). Este grande momento da Província tem caráter eletivo, onde é renovado o seu governo provincial.

É esperado para este momento a participação de 47 frades, entre eles Frei Rogério Xavier (assistente geral da Federação dos Conventuais da América Latina-FALC), que presidirá às sessões, e três freis convidados: Frei Clevis Mafra dos Santos (MA), Frei Ronaldo Gomes da Silva (RJ) e Frei Gilberto de Jesus Rodrigues (DF).

A pedido da vigilância sanitária da cidade de Campo Largo e para segurança dos participantes, todos, frades vogais, empregados da casa de retiros, assessor de comunicação e convidados, são obrigados a apresentar o teste RT-PCR negativo e a carteirinha de vacinação com, ao menos, a primeira dose da vacina tomada.

O Capítulo terá início no dia 20 de setembro, às 18h, com a Celebração presidida pelo Ministro Provincial Frei Aloísio de Oliveira. Logo após, como de costume, os frades se reunirão na sala capitular para aprovação dos ofícios e programação do Capitulo.

O tema escolhido para inspirar este capítulo, é a Regra de vida dos Frades Menores, deixada por São Francisco de Assis: “Regra e a Vida destes irmãos é esta: viver em obediência, em castidade e sem nada de próprio e seguir a doutrina e as pegadas de Nosso Senhor Jesus Cristo” (RNB 1,1)

O que é um Capítulo Provincial?

Na Ordem Franciscana existem três Capítulos: o Geral, Provincial e o Local, cada um com suas devidas características. Foram criadas no tempo de São Francisco de Assis com o objetivo de promover a fraternidade entre os frades.

O Capítulo Provincial Ordinário é um momento de fraternidade, avaliação e decisão. Nestes dias, os frades se reúnem, discutem sobre os últimos quatro anos provinciais, fazem as suas avaliações de cada comissão e pastoral onde os freis atuam e planejam o próximo quadriênio. É um momento que exige tempo e dedicação, por isso é dividido em duas fases: a primeira fase fica reservada para as avaliações e eleição do novo governo provincial, os frades votam para eleger o Ministro Provincial, o frade que servirá como pastor e coordenador para toda a Província, também elegem os definidores que auxiliarão o Ministro Provincial nesta missão e o ecônomo, responsável pela administração econômica da Província.

A segunda fase é reservada para decisão das moções, diretrizes que a Província seguirá nos próximos quatro anos. Está acontecerá em janeiro, de 17 a 21.

Programação da Primeira Fase:

Preparamos uma programação especial, para que vocês, não só em oração, mas virtualmente participem desse momento fraterno. Todos os dias os frades farão transmissões ao vivo para comentar como foi as sessões e dividir expectativas, momentos fraternos e de oração.

Veja a programação:

Para ficar por dentro de todos acontecimentos dessa semana tão importante, acessem os nossos meios de comunicação oficiais: FACEBOOK ou INSTAGRAM.

Fonte: Província São Francisco de Assis (Franciscanos Conventuais)

Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Olímpia/SP será elevada a Santuário Diocesano

Imagem aérea da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Olímpia/SP, pertencente a Diocese de Barretos/SP

A Matriz de Nossa Senhora Aparecida, fundada em Olímpia/SP em meados de 1940 e transformada em Paróquia em 1958, será elevada a Santuário Diocesano no próximo dia 12 de outubro.

O anúncio oficial aconteceu pelo Bispo Diocesano Dom Milton Kenan Júnior na última reunião do clero, após visita paroquial e aprovação do conselho de presbíteros.

A decisão de elevar a Igreja a Santuário é decorrente do incansável trabalho de evangelização, realizado pelos frades franciscanos que desde a vinda dos freis italianos a mais de 60 anos, comunicam e preparam com alegria e fé o povo de Deus.

Nos últimos três anos, o projeto se fortaleceu e Dom Milton solicitou aos frades que já fossem moldando a paróquia para ser um Santuário.

Para o pároco Frei Lucas Lisi Rodrigues, essa elevação é um marco no seu ministério sacerdotal. “Com a graça de Deus estou vivendo um momento marcante na vida de Olímpia e de nossa paróquia. Saber que como pároco, idealizei um sonho que foi concretizado desde a chegada dos primeiros freis em nossa cidade, é motivo de alegria.

Um sentimento de missão cumprida.”O novo Santuário será um sinal de esperança para o povo. Sinal de consolo, conforto, alegria e solidariedade fraterna. São muitos os fiéis que encontram na Mãe Aparecida inúmeros motivos de devoção e fé.

O local espera receber romeiros e devotos, que em peregrinações buscam no Santuário, pagamento de promessas, bençãos, celebrações, confissões e gestos de fé e caridade.

Conhecida carinhosamente como “Igrejinha”, a Paróquia foi erguida em terreno santo, no antigo cemitério da cidade. Admirada pela sua beleza, tem sua estrutura em formato de cruz, altar todo em mármore e pinturas nas paredes internas, feitas pelo artista olimpiense Dakinho, que ordena em sequência cronológica o projeto amoroso de Deus para a vida de Nossa Senhora Aparecida.

Hoje, a igreja se destaca pelo o amplo trabalho, pelas devoções, pelas missas diárias, pelos atendimentos sociais, por pastorais atuantes junto as missões populares.

Fonte: Diário de Olímpia/SP

Lideranças jovens das nossas frentes de evangelização se reúnem com o SAV Custodial e Irmãs Franciscanas

O carisma franciscano é viver o Evangelho na fraternidade e no desejo de atualizar o projeto de Deus na vida e na realidade onde estamos. Por isso, cabe a cada um de nós o passo necessário para garantir uma sociedade e uma Igreja de irmãos. Assim, unidos como frades e irmãs que vivem o carisma franciscano, o Serviço de Animação Vocacional deu mais um passo na proximidade com nossas juventudes.

Depois de ouvirmos suas expectativas, frustrações e alegrias, fizemos nesse domingo, 12 de setembro, mais um encontro para partilhar a vida franciscana e programar as atividades que teremos com as juventudes onde estamos presentes como franciscanos e franciscanas.

Participaram desse momento os frades animadores vocacionais da nossa Custódia, as animadoras vocacionais das Irmãs Franciscanas da Penitência, Irmãs Pequenas Missionárias Eucarística, Irmãs Franciscanas de Cristo Rei e os coordenadores de cada grupo de jovens onde estamos presentes, os frades e as irmãs.

A intenção é assumirmos o chamado do papa Francisco para perceber que a Juventude “é o agora de Deus” e por isso podemos caminhar juntos no processo de despertar, discernir e acompanhar a vocação desses jovens. A vocação, segundo o papa na exortação apostólica pós-sinodal Christus Vivit, “pode ser entendida em sentido amplo como chamado de Deus. Inclui a chamada à vida, a chamada à amizade com Ele, a chamada à santidade”.

Estamos juntos nessa travessia! Que São Francisco e Santa Clara sejam sempre referências na construção de fraternidade, proximidade, empatia e sobretudo seguimento de Jesus Cristo, construindo a Paz e a Justiça.

Deus nos abençoe e nos faça perseverantes na caminhada!

Fraternalmente,

Frei José Aécio de Oliveira Filho, OFM

Irmãos Leigos Franciscanos das quatro obediências, se reúnem de maneira remota para a quarta edição do encontro nacional

No dia 06 de setembro de 2021 realizou-se o IVº Encontro de Irmãos Franciscanos das quatro obediências – OFM, OFMCap, OFMConv e TOR. O último encontro aconteceu em 2019 em Lagoa Seca/PB.

O encontro desse ano, aconteceu de forma online e teve como tema “Portadores de esperança: sinal da bondade e misericórdia de Deus”, tendo como pano de fundo as temáticas da pandemia – a encíclica Fratelli Tutti, o desafio das relações humanas e redes sociais e o contexto de polarização. Como lema, teve o número 27 da Fratelli Tutti: “Quem constrói um muro, acabará escravo dentro dos muros que construiu, sem horizontes” (FT, 27).

Tivemos a participação de irmãos dos quatro ramos franciscanos e, mesmo a distância, foi satisfatório.

Na parte da manhã contamos com apresentações de atividades dos confrades e saudações dos superiores gerais e presidentes de conferências. A tarde fomos assessorados pelo Pastor Henrique Vieira, da Igreja Batista do Rio de Janeiro e de Moema Miranda, leiga da OFS e antropóloga. A noite foi aberta a discussão para os posicionamentos dos confrades, com seus questionamentos e contribuições.

O encontro teve por objetivo primeiro nos proporcionar o encontro (vivamos a cultura do encontro, como nos pede o Papa Francisco). É significativo nos escutarmos mutuamente: nossas histórias, nossos sonhos, projetos, desafios. Nos apoiamos uns aos outros, nos entendemos, pois falamos a partir de um mesmo chão existencial-vocacional: somos simplesmente irmãos! E Claro que tiramos daí uma força motivadora que nos põe em marcha na caminhada da vida e da fraternidade.

Fraternalmente,

Frei Tiago Santos da Silva, OFMCap (Membro da Coordenação)