Presidente da CNBB faz homenagem às mães, em ocasião do “Dia das Mães” comemorado no próximo domingo

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, gravou um vídeo para homenagear as mães, pelo dia dedicado a elas e que é celebrado no próximo domingo, 9 de maio.

No vídeo, dom Walmor salienta que as mães são presença acolhedora, colo que ampara, mão que sustenta. “Do coração de cada mãe brota uma força imensurável que tudo suporta. Uma força sem limites, pois está alicerçada no amor. Esse amor materno ajuda-nos a compreender o amor de Deus que tudo faz para que nenhum de seus filhos seja perdido”, diz.

Dom Walmor cita, ainda, que a amorosa relação entre mãe e filho é inquebrável e que nem mesmo a morte pode apagar. “Por isso nesse momento de pandemia é uma travessia tão difícil. Lembro com especial carinho dos filhos enlutados, que experimenta as saudades de suas mães. Essa saudade é sinal de que a morte não separa mãe e filhos, o vínculo permanece”, afirma.

O presidente da CNBB reitera sua solidariedade às mães que suportam a dor da partida de um filho. “Peço que contemplem a amada mãe, Maria, Senhora da piedade, padroeira de Minas Gerais. Maria tem nos seus braços o filho totalmente ferido na cruz, mas não perde a esperança. O olhar de Maria revela a dor do coração de uma mãe que vê o filho morrer, mas ao mesmo tempo tem a luminosidade própria da fé”.

Dom Walmor pede, ainda, para que todas sejam confiantes a exemplo da Mãe Santíssima, Nossa Senhora da Piedade. “Um dia mães e filhos separados pela experiência da morte vão se encontrar, pois mesmo que estejam distantes uns dos outros ainda permanecem unidos pelo inquebrável vínculo do amor”.

“A você que é mãe, minha gratidão e reverência. Uno-me ao seu coração para abraçá-la e homenageá-la. Feliz e abençoada dia das mães! Maria, a Senhora da Piedade, mãe e Padroeira de Minas Gerais interceda por seus caminhos e sua família. Cristo Rei abençoe a sua família. Fraterno braço, com muita benção”, finaliza dom Walmor.

Fonte: CNBB

Basílica de Aparecida/SP é um dos 30 Santuários do Mundo que integrará a maratona de oração com o Papa Francisco pelo fim da pandemia

No dia 6 de maio a oração do Terço será diretamente do Santuário de Nossa Senhora Aparecida (Brasil)

Segundo o forte desejo do Santo Padre, o mês de maio será dedicado a uma “maratona” de oração para invocar o fim da pandemia, que aflige o mundo há mais de um ano, e para a retomada das atividades sociais e de trabalho. O Papa Francisco quis envolver todos os Santuários do mundo nesta iniciativa, para que se tornassem instrumentos para uma oração de toda a Igreja. A iniciativa está sendo realizada à luz da expressão bíblica: “De toda a Igreja subia incessantemente a oração a Deus” (At 12,5).

O Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, encarregado pelo Papa de organizar o evento, estendeu o convite a todos os Santuários do mundo, a fim de promover a difusão da iniciativa nas respectivas Regiões, de modo a chegar aos sacerdotes, às famílias e a todos os fiéis, convidando-os a unir-se a esta oração de intercessão e esperança à Santíssima Virgem. Com a oração do Terço, cada dia do mês é marcado por uma intenção de oração pelas diversas categorias de pessoas mais afetadas pelo drama da pandemia: por aqueles que não puderam se despedir de seus entes queridos, pelos profissionais da saúde, pelos pobres, pelos sem-teto e pelas pessoas com dificuldades econômicas e por todos os falecidos… estas são algumas das intenções que marcarão a oração a Nossa Senhora.

Pelo fim da pandemia e retomada da vida

Cada Santuário do mundo é convidado a rezar na maneira e na linguagem em que a tradição local se expressa, a invocar a retomada da vida social, do trabalho e das muitas atividades humanas que foram suspensas durante a pandemia. Este chamado comunitário procura realizar uma oração contínua, distribuída pelos meridianos do mundo, que se eleva incessantemente de toda a Igreja ao Pai através da intercessão da Virgem Maria. Por esta razão, os Santuários são chamados a promover e solicitar o máximo possível a participação do povo, para que todos possam dedicar um momento à oração diária, no carro, na rua, com o smartphone e graças às tecnologias de comunicação, pelo fim da pandemia e a retomada das atividades sociais e de trabalho.

Abertura na Capela Gregoriana da Basílica Vaticana

O Santo Padre abrirá e concuirá a oração, juntamente com os fiéis de todo o mundo, a partir de dois locais significativos dentro do Estado da Cidade do Vaticano. Em 1º de maio, o Papa Francisco rezará junto ao ícone de Nossa Senhora do Socorro, já venerado no século VII, retratado em um afresco acima do altar de São Leão, perto do transepto sul da primitiva Basílica do Vaticano, colocado mais tarde, onde se encontra até hoje, dentro da nova Basílica de São Pedro em construção, pelo Papa Gregório XIII em 1578, na Capela Gregoriana, onde, além disso, são guardadas as relíquias de São Gregório de Nazianzo, Doutor e Pai da Igreja. Em 2013, durante o Ano da Fé, o ícone foi submetido a uma nova restauração. Como foi a primeira restauração realizada no pontificado do Papa Francisco, na época recém-eleito, foram gravadas as palavras SVCCVRRE NOS e FRANCISCVS PP. A. I., confiando assim o Papa à Virgem de Sucesso.

Conclusão nos Jardins do Vaticano

Na ocasião, o Santo Padre abençoará os Terços especiais utilizados especificamente para este evento, que serão então enviados aos trinta Santuários diretamente envolvidos. Várias famílias das paróquias de Roma e região participarão da oração e da leitura, juntamente com jovens representantes dos Novos Movimentos de Evangelização. Enquanto que em 31 de maio o Papa Francisco concluirá a oração a partir de um lugar significativo no Jardim do Vaticano, do qual serão dadas mais informações. Ambos os momentos serão acessíveis às pessoas surdas e com dificuldade de audição através da tradução para a língua dos sinais.

Os 30 Santuários

Estes são os trinta Santuários representativos, espalhados pelo mundo, que foram escolhidos para dirigir a oração mariana em um dia do mês. São os seguintes:  Nossa Senhora de Walsingham na Inglaterra; Jesus o Salvador e Mãe Maria na Nigéria; Nossa Senhora de Częstochowa na Polônia; Basílica da Anunciação em Nazaré; Nossa Senhora do Rosário na Coréia do Sul; Nossa Senhora Aparecida no Brasil; Nossa Senhora da Paz e Boa Viagem nas Filipinas; Nossa Senhora de Lujan na Argentina; Santa Casa di Loreto na Itália; Nossa Senhora de Knock na Irlanda; Virgem dos Pobres em Banneux na Bélgica; Mary’s Cathedral na Austrália; Imaculada Conceição nos Estados Unidos; Nossa Senhora de Lourdes na França; Meryem Ana na Turquia; Nuestra Señora de la Caridad del Cobre em Cuba; Nossa Senhora de Nagasaki no Japão; Nuestra Señora de Montserrat na Espanha; Notre Dame du Cap no Canadá; Santuário Nacional Nossa Senhora Ta’ Pinu em Malta; Nuestra Señora de Guadalupe no México; Mãe de Deus em Zarvantysia na Ucrânia; Virgem Negra de Altötting na Alemanha; Nossa Senhora do Líbano; Nossa Senhora do Santo Rosário de Pompeia na Itália.

A oração em cada um desses Santuários será transmitida pelos canais oficiais da Santa Sé, seguindo o horário de Roma, às 18:00 horas. Foi preparado um breve subsídio litúrgico para fornecer algumas indicações úteis para compartilhar este momento com a própria comunidade. O subsídio em italiano, inglês e espanhol pode ser baixado do site do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (pcpne.va).

Fonte: Vatican News

Papa Francisco: “Maria, cuida com carinho deste mundo ferido!”

Com uma mensagem no Twitter, o Papa Francisco recorda hoje a Natividade de Nossa Senhora. A festa da Natividade de Maria projeta a sua luz sobre nós, disse o Pontífice numa homilia de 8 de setembro de 2017.

“Maria é o primeiro esplendor que anuncia o fim da noite e, sobretudo, a proximidade do dia. O seu nascimento faz-nos intuir a iniciativa amorosa, terna e compassiva do amor com que Deus Se inclina sobre nós e nos chama para uma aliança maravilhosa com Ele, que nada e ninguém poderá romper.

Maria soube ser transparência da luz de Deus e refletiu os fulgores desta luz na sua casa, que partilhou com José e Jesus, e também no seu povo, na sua nação e na casa comum de toda a humanidade que é a criação.

No Evangelho, ouvimos a genealogia de Jesus (cf. Mt 1, 1-17), que não é uma mera lista de nomes, mas história viva, história dum povo com o qual Deus caminhou e, ao fazer- Se um de nós, quis anunciar que, no seu sangue, corre a história de justos e pecadores, que a nossa salvação não é uma salvação assética, de laboratório, mas concreta, uma salvação de vida que caminha.

Esta longa lista diz-nos que somos uma pequena parte duma longa história e ajuda-nos a não pretender protagonismos excessivos, ajuda-nos a fugir da tentação de espiritualismos evasivos, a não abstrair das coordenadas históricas concretas em que nos cabe viver. E também integra, na nossa história de salvação, aquelas páginas mais obscuras ou tristes, os momentos de desolação e abandono comparáveis ao exílio.”

Os momentos de desolação que hoje ferem o mundo são inúmeros, como denuncia o Pontífice. A pandemia acirrou as consequências das desigualdades sociais, somando-se aos problemas já existentes, como migração forçada, desnutrição, analfabetismo, conflitos, guerras e destruição do meio ambiente.

Maria, com o seu «sim» generoso, permitiu que Deus cuidasse desta história. E hoje pedimos a Nossa Senhora que cuide “deste mundo ferido”.

Fonte: Vatican News